sábado, 21 de outubro de 2017

Noroeste Fluminense abre 45 vagas de empregos formais em setembro

Em setembro, a região abriu 45 vagas de empregos com carteira assinada (-43 na microrregião Itaperuna e +88 na microrregião Santo Antônio de Pádua), o que vem a ser o resultado da diferença entre 828 admissões e 783 demissões, conforme os registros feitos pelos empregadores no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho). Número bem mais elevado do que o de setembro de 2016, ocasião em que foram fechados 6 postos de trabalho.

O maior número de vagas foi aberta em Miracema (35), em seguida em Porciúncula (23), Santo Antônio de Pádua (21), Itaocara (16), Aperibé (11), ... enquanto em Itaperuna foi fechado o maior número de postos de trabalho (42).

Sendo no setor serviços o maior número de abertura de vagas, 45 (-4 na microrregião Itaperuna e +48 na microrregião Santo Antônio de Pádua). Em seguida no comércio, 18 (+2 na microrregião Itaperuna e +16 na microrregião Santo Antônio de Pádua); agropecuário, 10 (+6 na microrregião Itaperuna e +4 na microrregião Santo Antônio de Pádua); ... A maior baixa ocorreu no setor indústria de transformação, com perda de 27 vagas (-32 na microrregião Itaperuna e +5 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

No acumulado do ano, a região abriu 430 vagas (+504 na microrregião Itaperuna e -74 na microrregião Santo Antônio de Pádua). De janeiro a setembro de 2016, a região registrou fechamento de 58 postos de trabalho.

Tendo em Itaperuna o maior número de vagas acumuladas abertas (373), em seguida Natividade (66), Miracema (37), Cambuci (36), Porciúncula (25), Varre-Sai (20), ... A maior perda de vagas acumuladas ocorreu em Santo Antônio de Pádua (143).

Serviços acumula abertura de 229 vagas (+371 na microrregião Itaperuna e -142 na microrregião Santo Antônio de Pádua). Em seguida indústria de transformação, com abertura de 122 vagas (+126 na microrregião Itaperuna e -4 na microrregião Santo Antônio de Pádua); construção civil, com 85 (+29 na microrregião Itaperuna e +56 na microrregião Santo Antônio de Pádua); serviços industriais de utilidade pública, com 24 (+16 na microrregião Itaperuna e +8 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

Municípios compreendidos nas microrregiões do Noroeste Fluminense: Itaperuna – Bom Jesus do Itabapoana, Italva, Itaperuna, Laje do Muriaé, Natividade, Porciúncula e Varre-Sai; e Santo Antônio de Pádua – Aperibé, Cambuci, Itaocara, Miracema, Santo Antônio de Pádua e São José de Ubá. 

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Produção de ovos de galinha no Noroeste aumenta 6% em 2016

Em 2016, a produção de ovos de galinha na região aumentou 6,3% em comparação ao ano anterior. Foram colhidos 595 mil dúzias de ovos na região, o que representou 6% da colheita do estado. Com maior participação do município de Itaperuna (18,8%), em seguida Santo Antônio de Pádua (16,3%), Bom Jesus do Itabapoana (11,3%), Italva (9,6%), Porciúncula (8,6%), Cambuci (8,4%), Miracema (7,2%), Laje do Muriaé (5,2%), ...

A produção aumentou em 10 dos 13 municípios da região, sendo destaque Itaocara, com um expressivo aumento de 125%. Em seguida Santo Antônio de Pádua (11,5%), Porciúncula (8,5%), Italva (5,6%), ...

A valor recebido pelos produtores proveniente da venda dos ovos aumentou 3,9% em comparação ao ano anterior. Os produtores receberam pela venda R$ 2,816 milhões.


Link para os anos anteriores

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Produção de psicultura no Noroeste recua 4% em 2016

Em 2016, a produção de psicultura na região recuou 4% em comparação ao ano anterior. A região produziu 574 toneladas, o que representou 36% da produção do estado. Bom Jesus do Itabapoana responde por 60,6% da produção na região, em seguida Laje do Muriaé, com 9,6%, Santo Antônio de Pádua, com 9,0%, Miracema e Itaocara, com 3, 5% cada um, ... 

Dos 13 municípios da região 11 são produtores de psicultura, apenas Natividae e Varre-Sai que não se dedicam a esta cultura. Dentre os municípios produtores, em apenas 4 deles a produção recuou. O maior avanço na produção coube a Aperibé (36,8%), em seguida Miracema (22,1%), Itaocara (11,1%), Bom Jesus do Itabapoana (8,7%), Itaperuna (7,4%), ...

Embora a produção tenha recuado, o valor recebido pelos produtores pela venda aumentou 6,7%. Os produtores receberam pela venda R$ 4,260 milhões.


Link para os anos anteriores

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Produção de leite no Noroeste aumenta 5% em 2016

Em 2016, a produção de leite na região aumentou 5% em comparação ao ano anterior. A região produziu 154,889 milhões de litros, o que representou mais de 30% da produção do estado. Com maior participação dos municípios de Itaperuna (25,8%), Bom Jesus do Itabapoana (13,4%), Santo Antônio de Pádua (11,0%), Cambuci (9,2%) e Itaocara (6,6%).

A produção aumentou em 11 dos 13 municípios da região, sendo destaque Santo Antônio de Pádua (18,8%) . Em seguida Laje do Muriaé (16,2%), Porciúncula (11,5%), Italva (9,6%), ...

A renda dos produtores pela venda do leite aumentou 14,4%, bem acima da inflação (6,29%). Tendo em Porciúncula o maior destaque (40,8%). Em seguida Santo Antônio de Pádua (31,9%), Cambuci (27,5%), Laje do Muriaé (26,3%), Miracema (25,4%), Italva (15,4%), Natividade (14,0%), ...Os produtores receberam pela venda R$ 161,339 milhões. 


Link para os anos anteriores

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Rebanho bovino aumenta no Noroeste Fluminense em 2016

Em 2016 o aumento de bovinos na região cresceu mais do dobro do ano anterior - 3,3% em 2016 ante 1,5% em 2015. O número chegou a 535.407 cabeças, com maior participação dos municípios de Itaperuna (23,8%), Bom Jesus do Itabapoana (12,4%), Cambuci (10,5%), Santo Antônio de Pádua (10,1%), Itaocara (7,9%), Natividade (7,7%), Miracema (5,6%), ...

Em 10 municípios o rebanho aumentou, com destaque para Aperibé (16,7%). Em seguida Natividade (16,1%), Laje do Muriaé (11,3%), Cambuci (9,9%), Itaocara (5,8%), Varre-Sai (5,3%), Miracema (5,0%), ...

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Estiagem leva Cedae a reduzir abastecimento de água em Miracema e Varre-Sai, no RJ

Por G1, Norte Fluminense e Região

Foto: Queimada registrada neste mês em Miracema (Foto: Divulgação/Prefeitura de Miracema)

De acordo com a companhia, os moradores das duas cidades devem consumir água de forma equilibrada e evitar o desperdício.


Em função da estiagem dos últimos meses, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) reduziu nesta semana o abastecimento de água nas cidades de Miracema e Varre-Sai, no Noroeste Fluminense. De acordo com a Cedae, os moradores das duas cidades devem consumir água de forma equilibrada e evitar o desperdício, visando evitar problemas maiores de abastecimento.

Segundo a Cedae, a estiagem e a consequente redução do nível do Rio Pomba, onde a companhia capta água para tratamento e distribuição, levou à redução no fornecimento de água para Miracema. Além da região central, a estiagem atingiu também o distrito de Paraíso do Tobias, cujo sistema de distribuição de água, abastecido pelo manancial Valão do Bonito, também teve sua vazão diminuída.

A estiagem na cidade levou a Prefeitura de Miracema a decretar estado de emergência nesta segunda-feira (25). Segundo dados da Defesa Civil, choveu apenas 18 milímetros na cidade em 2017, sendo que o ideal seriam 100 milímetros.

Em Varre-Sai, a falta de chuvas reduziu os níveis dos manciais onde a Cedae capta água para distribuição na cidade. Segundo a companhia, estão sendo realizadas manobras operacionais para minimizar os efeitos da seca na região da nascente do córrego Santa Cruz, responsável pelo abastecimento do município.

domingo, 24 de setembro de 2017

Noroeste Fluminense abre 267 vagas de empregos formais em agosto

Conforme registros feitos por empregadores no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho, o Noroeste Fluminense abriu 267 vagas em agosto (+153 na microrregião Itaperuna e  +114 na microrregião Santo Antônio de Pádua). Resultado mais satisfatório do que o ocorrido em agosto de 2016, ocasião em que foram abertas 147 vagas.

Este resultado de agosto foi positivo em 11 municípios, tendo em Itaperuna o maior número de vagas abertas (102), em seguida em Santo Antônio de Pádua (52), Bom Jesus do Itabapoana (38), Miracema (22), Italva (19), Aperibé (16), ...

Indústria de transformação abriu 152 vagas (+99 na microrregião Itaperuna e  +53 na microrregião Santo Antônio de Pádua), enquanto no setor serviços foram abertas 84 vagas (+79 na microrregião Itaperuna e  +5 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

No acumulado do ano são 385 vagas abertas (+547 na microrregião Itaperuna e -162 na microrregião Santo Antônio de Pádua). Neste mesmo período do ano anterior, foram fechadas 52 vagas na região.

Com 185 vagas, serviços lidera a abertura de vagas na região (+375 na microrregião Itaperuna e  -190 na microrregião Santo Antônio de Pádua). Em seguida indústria de transformação, com abertura de 149 vagas (+158 na microrregião Itaperuna e  -9 na microrregião Santo Antônio de Pádua); construção civil, com 90 vagas (+42 na microrregião Itaperuna e  +48 na microrregião Santo Antônio de Pádua); e serviços industriais de utilidade pública, com 21 vagas (+13 na microrregião Itaperuna e  +8 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

Comércio fechou 45 vagas (-41 na microrregião Itaperuna e  -4 na microrregião Santo Antônio de Pádua) e extração mineral outras 19 vagas (+3 na microrregião Itaperuna e  -22 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

Municípios compreendidos nas microrregiões do Noroeste Fluminense: Itaperuna – Bom Jesus do Itabapoana, Italva, Itaperuna, Laje do Muriaé, Natividade, Porciúncula e Varre-Sai; e Santo Antônio de Pádua – Aperibé, Cambuci, Itaocara, Miracema, Santo Antônio de Pádua e São José de Ubá. 

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

IBGE divulga estimativa populacional do Noroeste Fluminense

Noroeste Fluminense passa a ter 325.736 habitantes, a partir de 01/07/2017, segundo estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgada hoje, 30/08. Aumento de 2,6% ante o Censo de 2010.

Conforme a tabela abaixo oito municípios tiveram aumento de população, com destaque para Varre-Sai e Aperibé que cresceram 11,84% e 10,56%, respectivamente, em comparação com o Censo 2010. Cinco municípios registraram queda de população.

As estimativas populacionais municipais são um dos parâmetros utilizados pelo Tribunal de Contas da União no cálculo do Fundo de Participação de Estados e Municípios.

Informações metodológicas sobre o cálculo das estimativas 2017 podem ser obtidas no relatório: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100923.pdf


domingo, 20 de agosto de 2017

Tilápia garante sobrevivência de aves pescadoras no Ribeirão Santo Antônio

A poluição e a escassez de água praticamente provocaram o extermínio dos peixes naturais do Ribeirão Santo Antônio. Eram “barrigudinhos”, lambaris, mandis, bagres, traíras, cascudos, canelas-de-moça, sairus, bocarras e carás que povoavam o ribeirão. E em busca destes peixes para se alimentarem, aves pescadoras como as garças-brancas, tanto a grande quanto a pequena, garça-real, savacu, biguatinga, biguá, socozinho, socó-boi, martim-pescador-grande, martim-pescador-verde e martim-pescador-pequeno sempre estiveram presentes nas margens do ribeirão.


garça-branca-grande, garça-branca-pequena, garça-real e savacu


biguatinga , biguá, socozinho e socó-boi 
martim-pescador-grande, martim-pescador-verde (fêmea), martim-pescador-verde (macho) e martim-pescador-pequeno 

Mas estes pássaros continuam nas margens do Ribeirão Santo Antônio, agora pescando tilápia. E como tem tilápia nas águas escuras do ribeirão. Estas da foto foram flagradas tomando sol na parte da manhã do dia.


Também são muito frequentes no ribeirão outros pássaros em busca de alimento diferentemente de peixe. São frangos-d’água, tanto o comum quanto o azul, carão e jaçanã (ou piaçoca).


frango-d'água-comum, frango-d'água azul, carão e jaçanã ou piaçoca

E como tem lixo acumulado ao longo do leito do ribeirão no trecho após a cidade. Este vem a ser um problema que somente a população poderá resolver. Se o povo não se conscientizar da solução do problema, que vem a ser não jogar lixo tanto no ribeirão quanto na rua, ou nos recantos próximos de estradas vicinais, para ser carregado por chuvas para o leito da corrente fluvial, o trabalho que vem sendo feito no município de implantação e melhorias de sistemas públicos de esgotamento sanitário estará distante de ser denominado despoluição do Ribeirão Santo Antônio.



Obs.: atualizado em 23/08/2017, para inclusão dos martins-pescadores. Havia esquecido deles.