segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Empregos formais criados em Novembro no Noroeste foram baixos

No mês passado foram criadas 22 novas vagas com carteira assinada no Noroeste Fluminense, sendo que na microrregião Santo Antônio de Pádua foram abertos 76 postos e na microrregião Itaperuna houve 54 demissões. Neste mesmo mês do ano passado foram criados 141 postos na região.

Municípios da região que mais admitiram no mês passado: Miracema, com 33 admissões, Santo Antônio de Pádua, com 31 novos postos, Itaocara, com 8 novas vagas, ...

O Comércio foi o setor que mais abriu vagas, 65, sendo 51 na microrregião Itaperuna e 14 na microrregião Santo Antônio de Pádua. Em seguida foi na indústria de transformação, 21, sendo na microrregião Santo Antônio de Pádua 52 novas vagas e na microrregião Itaperuna 31 demissões.

No acumulado do ano foram abertas na região 1.055 vagas: 593 na microrregião Santo Antônio de Pádua e 422 na microrregião Itaperuna. Neste mesmo período do ano passado foram abertas 2.415 vagas na região.

Municípios que mais vagas criaram no acumulado do ano: Itaocara (289), Itaperuna (236), Miracema (176), ...

Como em novembro, no acumulado do ano também foi no comércio que mais vagas foram abertas, 356, sendo 309 na microrregião Santo Antônio de Pádua e 47 na microrregião Itaperuna. O setor serviços ficou próximo do comércio em abertura de vagas, 354, sendo 327 na microrregião Itaperuna e 27 na microrregião Santo Antônio de Pádua. Na indústria de transformação foram abertos 307 postos, 180 na microrregião Santo Antônio de Pádua e 127 na microrregião Itaperuna.

Municípios compreendidos nas microrregiões do Noroeste Fluminense: Itaperuna – Bom Jesus do Itabapoana, Italva, Itaperuna, Laje do Muriaé, Natividade, Porciúncula e Varre-Sai; e Santo Antônio de Pádua – Aperibé, Cambuci, Itaocara, Miracema, Santo Antônio de Pádua e São José de Ubá.

Link para matéria na Agência Brasil sobre empregos formais em novembro no país

domingo, 21 de dezembro de 2014

Artigo que estuda aumento da frota automobilística e da renda nas regiões NF, NOF e BL

Este Interessante artigo foi publicado no Boletim Petróleo, Royalties & Região nº 46 (link aqui).

A seguir algumas pinçadas no artigo relacionadas a região Noroeste Fluminense, mas não deixe de ler o artigo completo: 

"No NOF, as polarizações da renda são mais acentuadas e o quadro é de maior complexificação. Neste aspecto, Porciúncula assume especial destaque por ter apresentado um ritmo de crescimento da renda (90,93%) e de concentração (em 2010, a renda dos 20% mais ricos era 28,22 vezes maior que a renda dos 20% mais pobres, contra 18,29 vezes em 2000) bem acima dos demais municípios da mesorregião, entre os dois últimos Censos. Em Bom Jesus do Itabapoana (55,52%) e em Italva (55,14%), a renda cresceu num ritmo superior ao de Itaperuna (42,99%), principal polo mesorregional. Bom Jesus do Itabapoana e Porciúncula, aliás, foram os únicos municípios do NOF que registraram aumento da concentração da renda.

Laje do Muriaé, Miracema e Natividade chamam a atenção pelo fato de terem apresentado ritmo de crescimento da renda próximo ao do estado, apesar de terem sofrido perda de população entre os dois últimos Censos, como se pode ver nos quadros apresentados.


Considerações Finais 

"No NOF, São José de Ubá, município também recém-emancipado, registrou expansão da frota quase três vezes superior à de Varre-Sai, o segundo colocado na mesorregião. A exemplo de Carapebus e de Quissamã, no NF, é preciso verificar o grau de influência da recente emancipação nos dados do município. Outro caso a ser elucidado é o de Itaocara, que, apesar da perda de população e de uma ampliação da renda de apenas 3,78%, entre 2000 e 2010, registrou expansão da frota de automóveis em 6 4,1% .

De todo modo, os dados apontam para o aumento do volume de automóveis em circulação em todos os municípios das três mesorregiões analisadas. Como principais consequências e desafios para o planejamento regional decorrentes de tal fato, estão o aumento da pressão sobre a infraestrutura urbana, a intensificação dos problemas de mobilidade frente à ampliação do tráfego de veículos e das demandas de ordem ambiental, como o aumento da poluição, a piora da qualidade do ar e a elevação da temperatura local de áreas urbanas.

De maneira geral, mas sobretudo em alguns municípios da BL (Baixadas Litorâneas) e do NF, a população das três mesorregiões vem sofrendo as consequências da evolução progressiva do volume de veículos em circulação em seus municípios. Processo que, ao que tudo indica, tende a se intensificar ainda mais nos próximos anos, com a entrada massiva em circulação, nas rodovias intermunicipais e interestaduais, de veículos pesados de cargas vinculadas ao Complexo de E&P de petróleo e gás, em franca expansão, com a exploração do Pré-Sal, bem como ao Complexo Portuário do Açu.

É diante disso que se quer encerrar este artigo exortando toda a comunidade regional ao debate sobre o tema, chamando a atenção para a necessidade de se pensar e de se viabilizar em políticas públicas, que ajudem a mitigar os impactos sobre a infraestrutura urbana, a mobilidade e o ambiente causados pelo incremento da circulação de veículos nos municípios da BL, NF e NOF. Sobre este aspecto, também está em questão a promoção do aumento da qualidade de vida da população destes municípios."

sábado, 20 de dezembro de 2014

De que adianta grandes festas?

O bloqueio determinado pela justiça das contas da Prefeitura de Miracema no valor de R$ 9.046.764,68 para garantir o recebimento pela CAPPS/CAMED dos repasses que irresponsavelmente deixaram de ser feitos pela prefeitura, pois foram descontados dos salários dos funcionários, não só vai deixar as finanças do município insolúveis como também a economia em dificuldades, visto que a prefeitura como a maior geradora de empregos vem a ser uma grande mola propulsora da economia local.

Em setembro deste ano, o vereador Hugo Fernandes tornou pública a planilha abaixo com o valor da dívida, relativa ao período 2013 a agosto de 2014, da prefeitura com a CAPPS/CAMED, além de ter mencionado outras dívidas não mensuradas da prefeitura com o comércio local. Naquela época a dívida com a CAPPS ultrapassava R$ 6,4 milhões. Na ação da justiça o valor subiu para mais de R$ 9 milhões, ou seja, um aumento de mais de R$ 2, 5 milhões em relação ao valor divulgado pelo vereador. Resta esclarecer a origem deste acréscimo: dívida com a CAPPS do governo municipal anterior, que nesse caso também não deixa de ser irresponsável, ou repasses que continuaram a não ser feitos pelo atual governo?

Como sabemos, Miracema é um município pequeno com diversos problemas sociais que necessitam de ser resolvidos, ou pelo menos amenizados. A cidade não pode ser governada como se fosse cidade de porte maior do que realmente é, mas as evidências vêm mostrando que isso vem ocorrendo. Infelizmente, são governos que gastam mais do que podem com grandes festejos; querem ser marcados como o governo que maiores festas fizeram no município. Esta mentalidade precisa mudar. Aonde foram enfiados no município os mais de R$ 9 milhões que deveriam estar no caixa da CAPPS?

O gestor público, antes de ser um grande tocador de obras ou fazedor de festas, deve ser capacitado a gerir as finanças do município, pois sem este atributo de nada vai adiantar grandes obras ou festas.


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Dívida da Prefeitura de Miracema com a CAPPS/CAMED pode impedir a realização do pagamento de dezembro aos funcionários

Por conta de dívidas referentes à falta de repasses pela Prefeitura de Miracema a CAPPS/CAMED, conforme alertado pelo vereador Hugo Fernandes (aqui), o Ministério Público através de liminar impetrada pelo órgão credor pediu bloqueio das contas da Prefeitura. Em vista disso e da possibilidade de não realização do pagamento do mês de dezembro aos funcionários, a Prefeitura de Miracema convoca os servidores ativos e inativos para reunião nesta quinta-feira, às 7:00 horas da noite, no CIEP Álvaro Lontra.

Mestre Rogério ministrou oficinas de toques e cantos no 13º Encontro de Jongueiros da região Sudeste


Imagem de arquivo: mestre Rogério e
a saudosa DonaAparecida Ratinho

Entre os dias 5 e 7 de dezembro a Associação Senzala de Caxambu de Miracema participou do 13º Encontro de Jongueiros do Sudeste, em São José dos Campos (SP), juntamente com a maioria dos grupos de jongueiros com registro no IPHAN. 

O grupo de jongueiros da associação de Miracema participou do evento com o presidente Leonardo Coleta, mestre Rogério Rodrigues Pereira e outros 43 integrantes. No evento, o grupo de Miracema expôs materiais sobre o caxambu e peças de bijuteria confeccionadas por seus integrantes, além de ter participado da programação do 13º Encontro como solenidade de abertura, rodas de jongo, palestras, reuniões e a grande roda de encerramento. Mestre Rogério ministrou oficinas de toques e cantos organizadas pelo evento.

Vale ressaltar que o grupo de Miracema recebe aulas do curso de Confeccionador de Bijuterias, do PRONATEC de Cultura, realizado no Centro Cultural Melchíades Cardoso.

O Caxambu, também conhecido como Jongo, é uma dança brasileira de origem africana dançada ao som de tambores como o caxambu. Faz parte da cultura afro-brasileira. Influiu poderosamente na formação do samba carioca, em especial, e da cultura popular brasileira como um todo. Segundo os jongueiros, o jongo é o 'avô' do samba.

Com informações da Prefeitura de Miracema

Remanescentes florestais da Mata Atlântica nos Municípios do Noroeste Fluminense

Segundo os dados mais recentes da situação dos 3.429 municípios da Mata Atlântica lançados nesta quarta-feira, 17, pela Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Noroeste Fluminense conta com apenas 5,70% (30.650 hectares) do seu território (537.265 hectares) de remanescentes de vegetação natural do bioma Mata Atlântica, e, que, no período 2012-2013 não houve decremento desta vegetação.

Laje do Muriaé é o município da região com a maior área de remanescentes relativo (10,78%), sendo seguido por Miracema (10,32%), Varre-Sai (10,25%), Cambuci (9,60%), ... 


Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, explica que os Planos Municipais da Mata Atlântica trazem benefícios para a gestão ambiental e o planejamento do município. “Quando o município faz o mapeamento das áreas verdes e indica como elas serão administradas – por exemplo, se vão virar um parque ou uma área de proteção ambiental – fica muito mais fácil conduzir processos como o de licenciamento de empreendimentos. Além disso, é uma legislação que coloca o município muito mais próximo do cidadão, porque também estamos falando em qualidade de vida”, afirma ele. 

Os municípios têm de fazer sua parte na proteção da floresta mais ameaçada do Brasil e uma das principais formas de contribuir é através da elaboração e implementação dos Planos Municipais da Mata Atlântica.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Noroeste Fluminense produz mais da metade da piscicultura estadual

A Pesquisa Produção da Pecuária Municipal (PPM), divulgada nesta terça-feira, 16, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que inclui pela primeira vez a produção da aquicultura (inclui piscicultura) nacional, revela que o Noroeste Fluminense foi responsável por 54,6% da produção estadual de piscicultura em 2013. Foram produzidos na região 606 toneladas de peixes, tendo em Bom Jesus do Itabapoana o maior produtor da região (57,7%), em seguida Laje do Muriaé (25,1%), Santo Antônio de Pádua (7,9%), ...

Em 2013, a piscicultura na região rendeu 3,157 milhões de reais aos produtores, o que representa 42,2% do rendimento estadual.


Produção de leite no Noroeste Fluminense em 2013

A Pesquisa Produção da Pecuária Municipal (PPM), divulgada nesta terça-feira, 16, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que o Noroeste Fluminense foi responsável por 25,1% da produção estadual de leite em 2013. Foram produzidos na região 142,575 milhões de litros. Em relação a 2012, a produção de leite na região recuou 2,3%, assim como a participação estadual diminuiu em 2%.

Em 2013, a produção de leite na região rendeu 138,822 milhões de reais aos produtores, o que representa um aumento de 17% em relação a 2012. Como a produção de 2013 foi menor em 2,3%, isso significa que os preços do produto ficaram mais valorizados. Em média o litro do leite em 2013 ficou em R$ 0,97 ante R$ 0,81 em 2012, o que representa aumento de 19,8%, percentual bem superior a taxa de inflação de 2013 (5,91%).

Municípios que mais evoluíram na produção de leite na região: Santo Antônio de Pádua (24,18%), Cambuci (14,88%), Bom Jesus do Itabapoana (9,02%), ...



terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Efetivo do rebanho bovino do Noroeste em 2013

A Pesquisa Produção da Pecuária Municipal (PPM), divulgada hoje (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que o rebanho de bovinos do Noroeste Fluminense em 2013 cresceu 3,10% em relação ao ano anterior. O número chegou a 507.901 cabeças ante 492.649 em 2012. Todavia a participação do número de cabeças da região no total estadual caiu de 22,42%, em 2012, para 21,71%, em 2013. Os municípios que mais evoluíram no número de cabeças em relação a 2012 foram: Itaocara (15,23%), Santo Antônio de Pádua (9,77%), Bom Jesus do Itabapoana (8,45%), ... (continue lendo na tabela)




No país, o rebanho de bovinos permaneceu estável em 2013, em comparação ao ano anterior, com expansão de apenas 0,2%. O número chegou a 211,764 milhões de cabeças, com maior participação das regiões Centro-Oeste (33,6%) e Norte (21,1%). O engenheiro agrônomo, do IBGE, Octavio Oliveira lembrou que um dos fatores que parecem ter influenciado a estabilidade do rebanho bovino em 2013 é a retenção recente de matrizes após o abate.