segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Royalties do petróleo de setembro destinados ao Noroeste Fluminense aumentam 21%

As quotas dos royalties do petróleo de setembro destinadas aos municípios do Noroeste Fluminense aumentaram 21%, em comparação ao mesmo mês do ano anterior. 

No acumulado do ano até setembro o aumento foi de 35%. Em valores, o montante destinado ao Noroeste nestes 9 meses aumentou R$ 18,477 milhões na comparação ao mesmo período de 2016, passando de R$ 53,157 milhões para R$ 71,634 milhões.


Link para o mês anterior e comparações de 2014 a 2017

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Quatorze cursos de graduação no Noroeste são avaliados pelo Inep no Conceito Preliminar de Cursos de 2016

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou no diário oficial desta segunda-feira, 27/11, e no Portal Inep, dois dos seus Indicadores de Qualidade da Educação Superior 2016, entre eles o Conceito Preliminar de Curso (CPC) – indicador de qualidade que avalia os cursos de graduação.

Em 2016, foram avaliados os bacharelados nas grandes áreas de Saúde, Ciências Agrárias e áreas afins. O cálculo do CPC, cuja pontuação varia entre 1 e 5 (sendo 5 a nota máxima) tem por base a avaliação de desempenho de estudantes, por meio do Enade; o valor agregado pelo processo formativo, a partir do IDD (Indicador de Diferença entre os Desempenhos Observado e Esperado); as características do corpo docente, por meio do Censo da Educação Superior; e as condições oferecidas para o desenvolvimento do processo formativo (infraestrutura e instalações físicas, organização didático-pedagógica e oportunidades de ampliação da formação acadêmica e profissional), a partir do Questionário do Estudante. O indicador é calculado somente para cursos com, no mínimo, dois concluintes participantes no Enade.

Em 2016, além das instituições, foram avaliados 4.196 cursos de bacharelandos: 0,4% dos cursos obtiveram conceito 1; 7% conceito 2; 50,5% conceito 3; 40,3% conceito 4; e 1,9% conceito 5.

No estado do RJ foram avaliados 280 cursos: 0,7% dos cursos obtiveram conceito 1; 6% conceito 2; 57,5% conceito 3; 34,6% conceito 4; e 1% conceito 5.

No Noroeste Fluminense foram avaliados 14 cursos: 1 dos cursos obteve conceito 1; 9 conceito 3; e 4 conceito 4.


segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Noroeste Fluminense abre 93 postos de trabalho formal em outubro e 523 no acumulado do ano

Em outubro, a região abriu 93 vagas de empregos com carteira assinada (+60 na microrregião Itaperuna e +33 na microrregião Santo Antônio de Pádua), segundo os registros feitos pelos empregadores no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. Número bem mais elevado do que o acorrido em outubro de 2016, ocasião em que foram fechadas 51 vagas na região.

Por município, destaque para Santo Antônio de Pádua, que registrou abertura de 41 vagas. Em seguida Itaperuna (30), Bom Jesus do Itabapoana (14), Italva (13), Varre-Sai (8), ...

Por setor de atividade econômica, destaque para indústria de transformação, com abertura de 70 vagas (+35 na microrregião Itaperuna e +35 na microrregião Santo Antônio de Pádua). Em seguida comércio, que registrou abertura de 54 vagas (+48 na microrregião Itaperuna e +6 na microrregião Santo Antônio de Pádua); e serviços, com abertura de 38 vagas (+45 na microrregião Itaperuna e -7 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

Na construção civil foram fechadas 42 vagas (-50 na microrregião Itaperuna e +8 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

No acumulado do ano, a região abriu 523 vagas (+564 na microrregião Itaperuna e -41 na microrregião Santo Antônio de Pádua). De janeiro a outubro do ano anterior, a região fechou 109 vagas.

Itaperuna acumula abertura de 403 vagas, em seguida Natividade (60), Miracema (37), Cambuci (33), Varre-Sai (28), Porciúncula (27), Bom Jesus do Itabapoana (23), Italva (17), São José de Ubá (13), Laje do Muriaé (6) e Itaocara (1). Santo Antônio de Pádua e Aperibé acumulam perda de, respectivamente, 102 e 23 vagas.

Destaque para serviços, que acumulou abertura de 267 vagas (+416 na microrregião Itaperuna e -149 na microrregião Santo Antônio de Pádua). Em seguida indústria de transformação, com abertura de 192 vagas (+161 na microrregião Itaperuna e +31 na microrregião Santo Antônio de Pádua); construção civil, com 43 vagas abertas (-21 na microrregião Itaperuna e +64 na microrregião Santo Antônio de Pádua); comércio, com abertura de 27 vagas (+9 na microrregião Itaperuna e +18 na microrregião Santo Antônio de Pádua); e serviços industriais de utilidade pública, com 17 vagas abertas (+10 na microrregião Itaperuna e +7 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

Extração mineral perdeu 18 vagas (-1 na microrregião Itaperuna e -17 na microrregião Santo Antônio de Pádua).

Municípios compreendidos nas microrregiões do Noroeste Fluminense: Itaperuna – Bom Jesus do Itabapoana, Italva, Itaperuna, Laje do Muriaé, Natividade, Porciúncula e Varre-Sai; e Santo Antônio de Pádua – Aperibé, Cambuci, Itaocara, Miracema, Santo Antônio de Pádua e São José de Ubá. 

domingo, 19 de novembro de 2017

Blog do Roberto Moraes publica relatório da excursão do ecologista e professor Aristides Arthur Soffiati a região Noroeste Fluminense

No blog do professor Roberto Moraes tem uma excelente publicação sobre o Noroeste Fluminense: Revisitando o noroeste fluminense (I): eixo Muriaé por Sofiatti

Trata-se da primeira parte de excursão realizada neste mês pelo ecologista e professor Aristides Arthur Soffiati a região Noroeste Fluminense:

"Por um tempo razoável, não visitei o Noroeste Fluminense com olhar observador. Estive lá em novembro de 2017 com a professora Adriana Filgueira, da Universidade Federal Fluminense. Planejamos quatro excursões. A primeira seguindo o eixo do rio Muriaé; a segunda acompanhando o eixo Paraíba do Sul-Pomba; a terceira acompanhando o rio Itabapoana e o quarta trilhando o vale do rio Itapemirim."

O professor Roberto Moraes ficou de nos brindar com a publicação no seu blog das outras três partes da excursão ao Noroeste realizada pelo mestre Soffiati. Vamos acompanhar.

sábado, 18 de novembro de 2017

PIB do Noroeste Fluminense cresce 18% em 2014

Em 2014, o PIB (a preços de mercado) do Noroeste Fluminense cresceu 18,44% em comparação ao PIB de 2013. Em valor, cresceu R$ 1,033 bilhão, passando de R$ 5,602 bilhões em 2013 para R$ 6,635 bilhões em 2014. O PIB do Noroeste representa 1% do PIB do Estado do Rio.

Dos 13 municípios da região, 4 concentram 70% do PIB da região: Itaperuna (32%), Itaocara (15%), Santo Antônio de Pádua (14%) e Bom Jesus do Itabapoana (9%).

A atividade econômica predominante na região é serviços, representando 82% do Valor Adicionado Bruto, sendo 33% relativo à administração pública. Em seguida indústria, com participação de 12%.

O PIB de Itaocara avançou significativamente em 2014, cresceu 152%. Em seguida São José de Ubá (35%), Italva (12%), Itaperuna (10%), Miracema e Natividadae (9% cada um), ... 


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Quota dos royalties do petróleo destinada aos municípios do Noroeste cresce 36% até agosto

As quotas dos royalties do petróleo destinadas aos municípios do Noroeste Fluminense voltou a crescer em 2017 e acumula alta de 36% até agosto. Mas os valores de 2017 - R$ 64,684 milhões - continuam abaixo do patamar de 2014 - R$ 77,096 milhões.

Em valores, o montante destinado ao Noroeste nestes 8 meses aumentou R$ 17,280 milhões na comparação ao mesmo período de 2016, passando de R$ 47,404 milhões para R$ 64,684 milhões.

De janeiro a agosto de 2015 o montante destinado ao Noroeste recuou 26% na comparação ao mesmo período de 2014. Nestes mesmos meses de 2016 a queda foi de 17% na comparação a 2015.




segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Noroeste perde 794 hectares de Mata Atlântica entre 2013 e 2015

Em 2015, último ano disponibilizado no Atlas Municípios, elaborado por Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Noroeste Fluminense perdeu 794 hectares, o equivalente a 794 campos de futebol, de vegetação natural do bioma Mata Atlântica, em comparação a 2013. 

Todos municípios, com exceção de Varre-Sai e Bom Jesus do Itabapoana, perderam parte dos fragmentos remanescentes da Mata Atlântica, destacando-se Cambuci, com perda de 281 hectares, em seguida Santo Antônio de Pádua (169 ha), Laje do Muriaé (128 ha), Miracema (111 ha), Italva (75 ha), Itaocara (57 ha), Natividade (52 ha), Porciúncula (45 ha), Itaperuna (16 ha), Aperibé (3 ha) e São José de Ubá (1 ha).

Ao contrário dos demais municípios da região Varre Sai e Bom Jesus do Itabapoana ganharam 115 e 29 ha, respectivamente. Também é de Varre-Sai a maior área relativa de remanescentes da Mata Atlântica na região (11%). Em seguida Laje do Muriaé e Miracema (10% cada um), Cambuci (9%), Porciúncula (7%), Natividade (6%), São José de Ubá (5%), Itaperuna, Bom Jesus do Itabapoana e Santo Antônio de Pádua (4% cada um), Itaocara (3%), ...

O Noroeste Fluminense conta com apenas 5,50%, ou 29.554 ha, de seu território coberto por vegetação nativa da Mata Atlântica, o que vem a ser o índice mais baixo de todas as regiões do estado do RJ.