terça-feira, 30 de novembro de 2010

CENSO 2010: ÚLTIMA DIVULGAÇÃO PELO IBGE – NOROESTE FLUMINENSE
(Clique aqui para acessar os dados definitivos do Censo IBGE 2010 - Noroeste Fluminense)

A tabela abaixo, somente com os dados dos municípios do Noroeste, reflete a última divulgação feita pelo IBGE.

A população do Noroeste aumentou 6,64% ante o Censo IBGE 2000 (ver 2ª coluna da tabela). Os municípios que mais aumentaram suas populações foram: Aperibé (27,40%), Varre-Sai (21%), Porciúncula (11,40%), Italva (11,14%), Itaperuna (10,56%) ...

Laje do Muriáe, Miracema, Itaocara e Natividade tiveram redução de suas populações em, respectivamente, -5,29%, -0,87%, -0,44% e -0,32%.

A população masculina do Noroeste é menor do que a feminina, 49% ante 51% (ver 3ª e 4ª colunas da tabela). Únicos municípios que a população masculina é maior do que a feminina: Varre-Sai (50,3%) e Laje do Muriaé (50,1%).

A população do Noroeste é predominantemente urbana, 82,6% (ver 5ª coluna da tabela). São José de Ubá é o único município que tem a maior parte de sua população na zona rural: 55,8% ante 44,2% na zona urbana.

Miracema e Itaperuna são os municípios onde a população está mais concentrada na zona urbana: respectivamente 92,1% e 92,2%.

A população de Miracema aumentou em 5 habitantes comparado com a estimativa feita pelo IBGE em 2009. Isto significa que a distribuição de verbas pela União e Unidade da Federação, que tem por base o número da população do município, não vai sofrer alteração.

Clique na tabela para ampliá-la.
Apesar do recuo do tráfico, especialistas alertam contra euforia
Apesar do inegável apoio popular à ação da polícia, especialistas alertam que o otimismo excessivo - muitas vezes insuflado por setores da mídia interessados em não desvalorizar a “marca Rio” às vésperas da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016 - pode mascarar uma realidade onde permanece evidente o longo caminho que ainda resta a ser percorrido para que o Rio possa realmente viver em paz. "Temos ainda no Rio de Janeiro centenas de comunidades controladas pelo tráfico ou pela milícia. O quadro é complexo, e as avaliações que estão sendo feitas são de um triunfalismo fora de tom”, diz Ignacio Cano, sociólogo e professor da Uerj.

As informações são da Carta Maior - reportagem de Maurício Thuswohl. Continue lendo aqui.
DEBATE SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA (UCN) EM MIRACEMA


Haverá debate sobre a Consulta Pública de criação das UCN em Miracema, no próximo dia 3, às 18 h, no plenário da Câmara de Vereadores.

A área em destaque do mapa acima é a que se pretende que seja transformada nas UCN de Miracema.

As informações são do site oficial do município de Miracema. Continue lendo aqui.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA TOTAL DOS MUNICÍPIOS DO NOROESTE FLUMINENSE

A tabela abaixo, cujos dados foram extraídos do Ipeadata, mostra a produção agropecuária para cada município do Noroeste nos anos 2005, 2006 e 2007, em R$ 2.000 (mil), deflacionado pelo deflator implícito do PIB nacional.

Varre-Sai desponta como o maior produtor agropecuário, com 21,9% do total da região em 2007. Em seguida vem Porciúncula (12,7%), Cambuci (11,7%), São José de Ubá (11%) ...

Em 2007, Varre-Sai foi o principal produtor de feijão e o segundo maior produtor de milho, e Cambuci e São José de Ubá foram os maiores produtores de tomate, da região, conforme pode ser visto no post ÁREA COLHIDA DE ARROZ, FEIJÃO, MILHO, TOMATE E CANA-DE-AÇÚCAR NOS MUNICÍPIOS DO NOROESTE FLUMINENSE.

A maior queda de produção no período 2005 a 2007 foi em São José de Ubá (-60,1%), seguido por Cambuci (-42,9%), Aperibé (-41,1%), Santo Antônio de Pádua (-40,8) ..., enquanto em Varre-Sai, Italva e Bom Jesus do Itabapoama foram registrados os maiores aumentos de produção: respectivamente 23,1%, 21,3% e 18,9%. No Noroeste houve recuo de -19,8% na produção no supramencionado período.

domingo, 28 de novembro de 2010

A partir de hoje venda de antibióticos só com receita médica
Brasília – A partir deste domingo (28) começam a valer as novas regras para a venda de antibióticos nas farmácias e drogarias de todo o país. Os medicamentos só podem ser vendidos com a apresentação de duas vias da receita médica, sendo que uma delas ficará com o estabelecimento e outra com o consumidor. Essa norma já vale para remédios psicotrópicos, conhecidos como de tarja preta, usados no tratamento de depressão e ansiedade.

As receitas terão validade por dez dias a partir da prescrição do médico. Os médicos e profissionais habilitados devem prescrever o remédio com letra legível e sem rasuras.

A regra vale para 93 tipos de substâncias antimicrobianas que compõem todos os antibióticos registrados no Brasil, como amoxicilina, azitromicina, cefalexina e sulfametoxazol, algumas das mais vendidas no país. Estão de fora da lista os antibióticos usados exclusivamente em hospitais.

O estabelecimento que desrespeitar a regra está sujeito a punição, que vai de multa até interdição. Com a venda mais rígida, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer evitar o uso indiscriminado de antibiótico pela população e conter o avanço dos casos de contaminação por superbactérias, como a KPC – responsável pelo recente surto de infecção hospitalar no Distrito Federal.

Em nota, a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) alega que a regulamentação causará transtorno aos brasileiros. A entidade argumenta que parte significativa da população não tem acesso a uma consulta médica e que a receita de controle especial também não está disponível em todos os municípios. “Não poderá ser aceita uma receita médica comum e, nesse caso, a farmácia não poderá dispensar o medicamento, mesmo prescrito corretamente pelo médico ou dentista”, diz a associação.

A Abrafarma solicitou adiamento do início da vigência da medida para esclarecer a sociedade. Procurada pela Agência Brasil, a Anvisa informou que a data estipulada estava mantida. As farmácias e drogarias tiveram prazo de 30 dias para adequação.

A resolução da Anvisa, editada em outubro, determina mudanças também nas embalagens e bulas, que deverão ter a seguinte frase: Venda Sob Prescrição Médica - Só Pode Ser Vendido Com Retenção da Receita. As empresas farmacêuticas têm mais cinco meses para se adequar.

As informações são da Agência Brasil – repórter Carolina Pimentel, edição Fernando Fraga.

sábado, 27 de novembro de 2010

A batalha do Rio
Por Mauro Santayana

É um engano identificar a batalha do Rio – e de outras grandes cidades – como mero confronto entre a polícia e delinquentes, traficantes, ou não. Embora a conclusão possa chocar os bons sentimentos burgueses, e excitar a ira conservadora, é melhor entender os arrastões, a queima de veículos, os ataques a tiros contra alvos policiais, como atos de insurreição social. Durante a rebelião de São Paulo, o governador em exercício, Cláudio Lembo, considerado um político conservador, mais do que tocar na ferida, cravou-lhe o dedo, ao recomendar à elite branca que abrisse a bolsa e se desfizesse dos anéis.

O Brasil é dos países mais desiguais do mundo. Estamos cansados do diagnóstico estatístico, das análises acadêmicas e dos discursos demagógicos. Grande parcela das camadas dirigentes da sociedade não parece interessada em resolver o problema, ou seja, em trocar o egoísmo e o preconceito contra os pobres, pela prosperidade nacional, pela paz, em casa e nas ruas. Não conseguimos, até hoje (embora, do ponto de vista da lei, tenhamos avançado um pouco, nos últimos decênios) reconhecer a dignidade de todos os brasileiros, e promover a integração social dos marginalizados.

Os atuais estudiosos da Escola de Frankfurt propõem outra motivação para a revolução: o reconhecimento social. Enfim, trata-se da aceitação do direito de todos participarem da sociedade econômica e cultural de nosso tempo. O livro de Axel Honneth, atual dirigente daquele grupo (A luta pelo reconhecimento. Para uma gramática moral do conflito social) tem o mérito de se concentrar sobre o maior problema ético da sociedade contemporânea, o do reconhecimento de qualquer ser humano como cidadão.

A tese não é nova, mas atualíssima. Santo Tomás de Aquino foi radical, ao afirmar que, sem o mínimo de bens materiais, os homens estão dispensados do exercício da virtude. Quem já passou fome sabe que o mais terrível dessa situação é o sentimento de raiva, de impotência, da indignidade de não conseguir prover com seus braços o alimento do próprio corpo. Quem não come, não faz parte da comunidade da vida. E ainda “há outras fomes, e outros alimentos”, como dizia Drummond.

Continue lendo aqui.

As informações são do Coisas da Política – Jornal do Brasil
Conteúdo preconceituoso é o que predomina na internet
Em um mês foram registrados cerca de mil denúncias de crimes

Jane Rocha

Brasília - Apesar das punições previstas em lei para atitudes preconceituosas, a internet se tornou terreno fértil para que milhares de pessoas divulguem e consumam material contra negros, judeus, religiosos, homossexuais e até imigrantes. Entre outubro e novembro deste ano, a SaferNet Brasil, associação civil de direito privado com atuação nacional, registrou mais de mil denúncias contra esse tipo de manifestação. Além disso, pelo menos 20 mil sites hospedados no Brasil produzem conteúdo discriminatório.

A maior parte das denúncias é contra manifestações xenofóbicas, com 1.042 registros. Em seguida, homofobia (781), racismo (269), crimes neonazistas (220) e intolerância religiosa (176). No primeiro semestre de 2010 foram registradas 16.636 denúncias de material discriminatório. Homofobia ficou em primeiro lugar nas denúncias (5.937), seguido por xenofobia (4.541), crimes neonazistas (3.019), racismo (1.675) e intolerância religiosa (1.464).

Leia a matéria completa no JB Digital

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

MAIS FOTOS DA EXCURSÃO AO JEQUITIBÁ-ROSA E À ÁREA DA UPAM
Vista de baixo da parte alta da mata, encoberta por neblina, onde está localizado o jequitibá:

Canário-da-terra-verdadeiro no início da subida para ver a árvore:

Árvore típica da região:Pequeno riacho dentro da mata, onde os animais silvestres saciam a sede, e cerca de divisa de propriedades (Inhamal – Ventania):

Fotos do jequitibá que não foram mostradas no post anterior:
Roda d’água e frango-d’água-comum fotografados na fazenda Santa Cruz:

Ver EXCURSÃO NA ÁREA PRETENDIDA PARA SER UNIDADE DE CO...

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

IBGE REGISTRA A MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA
A taxa de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do País ficou em 6,1% em outubro ante 6,2% em setembro, segundo o IBGE. Uma das menores do mundo.

O número de ocupados nas seis principais regiões metropolitanas somou 22,345 milhões de pessoas em outubro de 2010, com variação positiva de 0,3% diante setembro e aumento de 3,9% contra outubro do ano passado.

O número de desocupados (sem trabalho e procurando emprego) chegou a 1,444 milhão, com recuo de 2,4% comparado a setembro e queda de 17,6% ante outubro de 2009.

O rendimento médio real dos trabalhadores registrou variação positiva de 0,3% em outubro comparado a setembro e alta de 6,5% na comparação com outubro do ano passado, a maior variação na renda apurada pelo IBGE, ante igual mês do ano anterior, desde junho de 2006, segundo destacou o gerente da pesquisa mensal de emprego, Cimar Azeredo. Em outubro, o rendimento médio real da população ocupada nas seis principais regiões metropolitanas do País ficou em R$ 1.515,40, superior também a setembro (0,3%).

Segundo Azeredo, o maior aumento da renda registrado em 52 meses reflete a inflação sob controle e, sobretudo, o aumento do salário mínimo. "Os dados mostram que os rendimentos mais vinculados ao mínimo estão subindo mais", disse. Outro fator citado por ele é o aumento da qualidade do emprego. "A maior formalidade eleva os ganhos do trabalhador", acrescentou.

Na média de janeiro a outubro de 2010, o rendimento médio real ficou em R$ 1.461,92, acima do mesmo período do ano passado (R$ 1.414,77). É também o maior rendimento médio real, desde o início da série da pesquisa, para esse período.

Segundo o IBGE, a massa de renda média real habitual dos ocupados somou R$ 34,3 bilhões em outubro, com alta de 0,8% ante setembro e aumento de 10,8% em relação a outubro do ano passado.

Já a massa de renda média real efetiva dos ocupados chegou a R$ 34,1 bilhões em setembro, com alta de 1,0% ante agosto e aumento de 11,1% na comparação com setembro do ano passado. O rendimento médio real efetivo sempre se refere ao mês anterior ao da pesquisa mensal de emprego.
CENSO 2010 FINALIZADO NOS MUNICÍPIOS DO NOROESTE FLUMINENSE
O IBGE assinalou como finalizado o Censo 2010 nos municípios do Noroeste, com exceção de Italva que ainda está sob supervisão.

A população é parâmetro para distribuição das verbas federais aos fundos estaduais e municipais e para definir o número dos representantes dos cidadãos nas assembléias legislativas municipais. Até então o parâmetro utilizado era com base na estimativa da população feita pelo IBGE em 2009.

O Censo, além de contar a população residente em uma data específica e definir a sua estrutura por sexo e idade, levanta inúmeras informações que permitem conhecer os padrões de fecundidade, mortalidade e migração (interna e externa) e inferir as transformações demográficas em curso, sua evolução e os impactos futuros sobre a população e sua composição.

A tabela abaixo mostra a população estimada em 2009 e a do Censo 2010, além da variação da população nestes dois períodos.

Em Aperibé, Varre-Sai e Itaocara a população aumentou, respectivamente em 6,90%, 3,75% e 1,79. Nos demais municípios houve diminuição da população, sendo em Italva, Laje do Muriaé, Santo Antônio de Pádua e Itaperuna os maiores decréscimos: respectivamente -14,77%, -6,56%, -6,51% e -6,03.


terça-feira, 23 de novembro de 2010

FLUTUAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS NOS MUNICÍPIOS DO NOROESTE FLUMINENSE
Outubro/2010
Em outubro houve 144 admissões nos municípios do Noroeste contra 43 demissões, no saldo das contratações/desligamentos de cada município. Os municípios que mais promoveram admissões foram: Itaocara (38), Bom Jesus do Itabapoama (29), Itaperuna (19) ... (continua na tabela abaixo). Municípios em que houve desligamentos no saldo: Santo Antônio de Pádua (31), Laje do Muriaé (8) e Italva (4). Em São José de Ubá não houve admissão, mas também não teve desligamento.

No acumulado do ano, o Noroeste apresenta um saldo de 1.968 admissões contra 20 desligamentos. Itaperuna foi o município que mais admitiu trabalhadores: 975. Seguido por Santo Antônio de Pádua (222), Bom Jesus do Itabapoama (206), Itaocara (136), Italva (81) , Miracema (80) ... (ver tabela abaixo). São José de Ubá e Laje do Muriaé apresentaram desligamentos no saldo do acumulado do ano: respectivamente 17 e 3.
Saldo das admissões/desligamentos de empregos

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

POLÍCIA DÁ FLAGRANTE EM RINHA DE GALO EM ITAPERUNA
Batalhão de Polícia Florestal e de Meio Ambiente prendeu 77 pessoas neste sábado numa rinha de galo em Itaperuna. Precisou de um ônibus para conduzir os infratores à delegacia (143ª DP). Depois eles foram liberados. A polícia chegou ao local por meio de denúncia anônima do Disque Denúncia.

Na rinha com 3 arenas, a polícia encontrou 70 galos e R$16.360 no montante de apostas.

Episódio semelhante ocorreu em Miracema há alguns anos atrás, onde também foi preciso ônibus para conduzir as pessoas flagradas na rinha à delegacia.

domingo, 21 de novembro de 2010

EXCURSÃO À ÁREA PRETENDIDA PARA SER UNIDADE DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL DE MIRACEMA
Hoje, reunimos um grupo de sete pessoas e fomos visitar a fazenda Inhamal, evidentemente com autorização do proprietário. Fomos em cinco motos e um jipe.

Chegando lá, subimos, a pé, pelo mato, a serra da fazenda para ver um milenar jequitibá-rosa. Foram cerca de duas horas e meia de caminhada entre ida e volta. Mas valeu a pena, pois foi muito compensador admirar de perto aquela exuberante árvore, que é um verdadeiro monumento vivo à natureza.

Depois percorremos pelas estradas vicinais a parte restante dos 40% do território de Miracema que se pretende que seja a Unidade de Conservação Ambiental.

Mas, vamos as fotos da caminhada para ver o jequitibá:

Chegada do grupo na fazenda Inhamal. Menos eu, o fotógrafo, no grupo:
Pau-ferro perto da sede da fazenda:
Nortom fazendo pose de descansando debaixo do jambeiro:
Pés de pitanga pelo caminho, para delícia do paladar dos integrantes do grupo:
Caminhada mata adentro. Mata densa:
Pausa para descanso porque ninguém é de ferro:
Avistando ainda longe a copa do jequitibá-rosa:
Pau rodeado de cogumelos. Primo e Nortom na foto:
O grupo mostra cansaço na subida, mas está feliz para ver o jequitibá:


Mata densa pela frente:Enfim, chegamos ao monstruoso jequitibá-rosa. Mais uma vez Nortom na foto, e o Chumbinho:
Foto sacada de baixo para cima rente ao jequitibá:
José, Humbertinho e Primo juntos ao pé da árvore:
Mais uma vez Nortom na foto para comparar o tamanho do tronco do jequitibá:

A SERIEMA DE AREIAS

Em Areias, povoado do 2º distrito, Paraiso do Tobias, de Miracema, tem uma seriema que se socializou com a comunidade. É uma seriema especial, pois não tem medo de gente, muito pelo contrário, gosta de viver no meio dos habitantes daquele lugar. Toda comunidade a adotou e lhe dá o que comer: sobras de comida, ração de cachorro, etc.

Aonde concentra pessoas, a seriema vai. Neste último sábado, eu mesmo a presenciei assistindo missa: ela subiu no muro da capela de Areias e através da janela ficou observando o padre celebrar missa, só descendo dali quando o culto terminou e os fiéis desocuparam o recinto. Eu diria que ela é uma seriema com alma de gente.

Ela também gosta de brincar com crianças, faz isto correndo atrás delas. Infelizmente, esta brincadeira lhe custou ficar deficiente de uma das pernas, porque uma criança de fora da comunidade, por não ter entendido a brincadeira, atirou uma pedra quebrando-lhe a tal perna. Isto faz uns seis meses. Hoje ela caminha com dificuldades.

Seu nome é Cabeção, embora ninguém da comunidade saiba dizer se ela é macho ou fêmea. E ela atende pelo nome.

Todos os dias, ela dorme numa pequena árvore da principal praça de Areas.

sábado, 20 de novembro de 2010

MIRACEMENSE É ELEITA PRINCESA DO CARNAVAL 2011 DO RIO
A miracemense inspetora de polícia Isabela Magacho foi eleita princesa do Carnaval 2011 do Rio, juntamente com Jessica Maia. Cada uma recebeu R$ 15 mil de prêmio. No mesmo evento foram eleitos o rei momo, Milton Rodrigues da Silva Junior, e a rainha, Bianca Salgueiro Ferreira, tendo recebido de prêmio R$ 20 mil cada um.

Ver a matéria completa no O Globo aqui

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

PAC 2: MDA divulga lista de municípios que receberão máquinas
Municípios do Noreste Fluminense que constam da lista: Aperibé, Bom Jesus do Itabapoama, Cambuci, Italva Itaocara, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, Santo Antônio de Pádua e Varre-Sai

A relação dos 1.300 municípios classificados pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) para receber máquinas retroescavadeira ou motoniveladora dentro do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC 2) foi publicada na edição desta sexta-feira (12/11/2010) do Diário Oficial da União (DOU). A seleção e a divulgação ocorreram de acordo com a metodologia utilizada pelo PAC.

Foram considerados os seguintes critérios: a) pertencer ao Programa Territórios da Cidadania (quatro pontos); b) maior participação do PIB agrícola no PIB total do município (até três pontos); c) possuir maior extensão territorial (até três pontos); d) ter maior presença de agricultores familiares em relação ao total dos produtores rurais registrados no município (até quatro pontos); e e) distribuição mais equilibrada entre as regiões brasileiras.

A destinação de retroescavadeiras ou motoniveladoras tem como objetivo melhorar a infraestrutura e a recuperação de estradas vicinais para escoamento da produção e circulação de bens em municípios com até 50 mil habitantes. O MDA recebeu no período de inscrições 4.176 propostas na modalidade individual, 50 na modalidade associações e nove na modalidade consórcios, totalizando 4.235 propostas válidas e em condições de habilitação no processo seletivo. Inicialmente estava prevista a seleção de mil municípios, mas o Comitê Gestor do PAC, reavaliando os limites desta ação e a grande quantidade de inscritos, decidiu ampliar os contemplados para 1.300 municípios.

Nesta etapa serão destinados R$ 270 milhões para a entrega de 1.274 retroescavadeiras e 13 motoniveladoras aos municípios selecionados. Outros R$ 630 milhões do Orçamento Geral da União serão aplicados nos processos seletivos a serem realizados nos exercícios de 2012/2014. Simultaneamente, está prevista outra etapa com recursos obtidos mediante financiamento, na ordem de R$ 900 milhões, que ainda será normatizada.

Atualmente, o MDA está encaminhando o processo licitatório para a aquisição das máquinas que serão doadas às prefeituras selecionadas. Esta etapa deve ser concluída até o final deste ano. A entrega efetiva dos equipamentos está prevista para até o final do primeiro semestre de 2011.

A lista completa dos municípios selecionados, em ordem alfabética e por região, está disponível para consulta no Diário Oficial da União e no portal do Ministério do Desenvolvimento Agrário (www.mda.gov.br). A consulta ao andamento da proposta de cada município (histórico) também está disponível no portal do Ministério.

Para mais informações ver Portal do MDA

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

UERJ VAI ORGANIZAR CONCURSO PÚBLICO EM MIRACEMA
Para dar maior transparência ao concurso público que será realizado em Miracema, cujo edital dever ser publicado no mês que vem, a prefeitura está fazendo parceria com a UERJ. São 101 vagas que serão oferecidas: parte para o concurso propriamente e outra parcela para o processo seletivo entre o pessoal que ocupava vagas da INVISA.

Desta vez, a prefeitura foi buscar competência com quem tem para que o concurso público seja feito com a maior lisura e transparência.

Vamos aguardar.

Mais detalhes no site oficial do município de Miracema aqui.
Brasil precisa de 5 anos para população atingir média de escolaridade prevista na Constituição
Brasília – Ainda levará cinco anos para que a população brasileira atinja a escolaridade mínima prevista originalmente na Constituição Federal – ensino fundamental completo ou oito anos de estudo. É o que aponta a análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad/IBGE) de 2009.

No ano passado, a média de anos de estudo da população com mais de 15 anos de idade foi de 7,5. Entre 1992 e 2009, a ampliação anual foi de 0,14 ano de estudo. O crescimento, entretanto, se deu de forma desigual nas diferentes regiões do país. Enquanto no Sudeste a média de anos de estudo já é maior do que o previsto na Constituição Federal, no Nordeste ainda é de 6,3. “O diferencial entre essas regiões vem se mantendo desde o início da série [histórica estudada] em cerca de 2 anos”, aponta o estudo.

A média de anos de estudo também é diferente entre pobre e ricos, negros e brancos e moradores de zonas rurais e urbanas. O estudo destaca que os negros têm, em média, 1,7 ano de estudo a menos do que os brancos. A população urbana tem 3,9 anos de estudo a mais do que a rural. Na comparação de renda, os 20% mais pobres têm, em média, 5,5 anos de estudo, enquanto os 20% mais ricos estudaram 10,7 anos.

O Ipea analisou que o hiato educacional – a quantidade de anos de estudo que faltam para que os brasileiros cheguem ao mínimo definido na Constituição - diminui a cada ano, mas evolui de forma distinta em cada faixa etária. Quanto mais alta é a idade, menor é a queda do hiato. Em 2009, o hiato na população com mais de 15 anos era de cerca de 4,8 anos, enquanto entre os brasileiros com mais de 30 era de 5,1 e no grupo de 15 a 17 anos era de 2,8.

Menos de 20% das crianças até 3 anos têm acesso a creches no país
Brasília – O acesso de crianças à creche no Brasil continua baixo. Em 2009, apenas 18,4% da população até 3 anos de idade estavam na escola. É o que aponta análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Pnad/IBGE).

O estudo avalia que o percentual é baixo, já que o Plano Nacional de Educação (PNE), aprovado em 2000, prevê que essa taxa chegasse a 30% em 2006. O crescimento entre 1995 e 2009 foi de 0,81 ponto percentual ao ano – era de 7,6% e chegou a 18,4%. O acesso também varia de acordo com a cor da criança, o local onde ela vive e a renda da família.

O número de crianças ricas matriculadas em creches é três vezes maior do que o verificado entre as mais pobres. Entre os 20% com menor renda, apenas 11,8% das crianças até 3 anos estavam na escola em 2009. Essa taxa supera os 34% entre os 20% com maior renda. Na zona urbana, o acesso à creche é o triplo do verificado na rural – 24,1% contra 8,2%. Também há desigualdade entre negros e brancos, embora em grau menor – a diferença em 2009 era de 3,3 pontos percentuais entre os dois grupos.

O estudo destaca que o acesso à educação das crianças de 4 a 6 anos é bem maior, já que 81,3% da população nessa faixa etária frequentavam a escola em 2009. Em 1992, apenas 54,1% tinham acesso ao ensino - um crescimento de 1,7 ponto percentual ao ano até 2009.

Atraso nos estudos deixa 75% dos jovens de 18 a 24 anos fora do ensino superior
Brasília – Em 2009, apenas 14,4% da população de 18 a 24 anos – faixa etária esperada para o ingresso na educação superior – estavam matriculados nessa etapa de ensino. É o que aponta a análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad/IBGE).

De acordo com o estudo, esse fato se deve “aos entraves observados no fluxo escolar do ensino fundamental e médio, que têm elevada taxa de evasão e baixa taxa média esperada de conclusão”. Isso significa que o estudante termina o ensino médio após a idade esperada – 17 anos – e ingressa na universidade com atraso. Considerando a taxa de frequência bruta, 30,3% dos jovens de 18 a 24 anos estavam estudando em 2009.

O acesso é diferente em cada região. Enquanto no Sul, 19,2% dos jovens na faixa etária analisada frequentavam o ensino superior em 2009, no Nordeste o índice era inferior a 10%. Entre os jovens de 18 a 24 anos da zona rural, apenas 4,3% tinham acesso a cursos superiores, contra 18,2% da população que vive na cidade. Também há desigualdade no acesso entre negros (8,3%) e brancos (21,3%).

As informações são da Agência Brasil (repórter Amanda Cieglinski)

terça-feira, 16 de novembro de 2010

''Estamos distribuindo renda com uma mão e concentrando com a outra''
Entrevista especial com Tânia Bacelar de Araújo concedida à IHU Online
A eleição de Dilma suscitou duas questões importantes que precisam de reflexão e discussão no Brasil: o movimento conservador que levantou bandeiras preconceituosas durante as eleições movendo votos consideráveis e, também, o crescimento da discussão política que envolve a atuação do nordeste, antes esquecido e renegado no ‘canto do país’. “O nordeste tem 28% da população total do Brasil, mas tem metade dos que ganham salário mínimo no país. Nesse sentido, o nordeste foi bastante beneficiado por essa política. Aumento de renda significa aumento de consumo e o aumento de consumo destacou a economia do Brasil, mas, particularmente, do nordeste”, relatou a professora e economista Tânia Bacelar de Araújo durante a entrevista que concedeu à IHU On-Line, por telefone.

A economista analisou as principais transformações que o nordeste viveu nos oito anos de governo Lula e refletiu sobre o protagonismo que a região vem explorando e o preconceito que cresce contra os nordestinos no país. Além disso, ela também falou sobre suas expectativas em relação ao governo Dilma. “Para as mulheres, a chegada de Dilma é simbólica. As mulheres, até 1930, sequer votavam. A taxa de analfabetismo feminina até metade de século XX era o dobro da masculina. Então, as mulheres, no século XX, fizeram um esforço grande de se qualificar porque foi o canal de entrada na vida pública que nós escolhemos”, manifestou.

Tânia Bacelar de Araújo é graduada em Ciências Sociais pela Faculdade Frassinetti do Recife e em Ciências Sociais pela Universidade Católica de Pernambuco. Especializou-se em Análise Regional e Organização do Espaço pela Université de Paris I – Pantheon Sorbonne (França), onde também realizou o doutorado na mesma área. Desde 1978 é professora na Universidade Federal de Pernambuco.

Ver a entrevista completa aqui
PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA - VALOR TOTAL DOS BENEFÍCIOS EM DEZEMBRO NO NOF
Em complemento ao post anterior (PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA - NÚMERO DE FAMÍLIAS BENEFICIADAS NO NOROESTE FLUMINENSE), a tabela abaixo mostra os valores (em R$) que cada município do Noroeste Fluminense recebeu em dezembro dos anos estipulados na referida tabela.

Em dezembro de 2008, foi injetado na economia da região R$ 1, 194 milhão. Pressupondo que este mesmo valor foi pago aos beneficiários do Bolsa Família nos demais meses do ano, foram cerca de R$ 14,332 milhões que entraram no Noroeste em 2008. Este mesmo cálculo pode ser feito para cada município descrito na tabela. Em Miracema, por exemplo, foi cerca de R$ 1,412 milhão em 2008.

Considerações do Ipeadata a respeito dos dados da tabela: “Valor nominal total, em dezembro, dos benefícios de transferência de renda pelo Programa Bolsa Família (PBF) do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). As transferências são mensais, assim como as variações nos valores transferidos, mas os dados apresentados no Ipeadata referem-se somente aos valores dos benefícios transferidos no mês de dezembro de cada ano de referência”.
Ver nova postagem sobre o Bolsa Família 2009 aqui

domingo, 14 de novembro de 2010

PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA - NÚMERO DE FAMÍLIAS BENEFICIADAS NO NOROESTE FLUMINENSE
A tabela abaixo demonstra o número de famílias que receberam o Bolsa Família nos municípios do Noroeste.

Em 2008, foram 17.018 famílias que foram beneficiadas com o programa na região. De 2006 a 2008 houve redução no número de famílias em 2,9%.

O município que mais reduziu a distribuição do Bolsa Família, no período 2006 a 2008, foi Santo Antônio de Pádua: -28,4%, enquanto o que mais aumentou a distribuição foi Laje do Muriaé (39,1%).

Proporcionalmente a respectiva população (IBGE-2009), Itaocara tem o maior percentual de famílias que receberam o Bolsa Família em 2008,: 8,30%. Em seguida vem Laje do Muriaé (7,43%), Cambuci (7,37%), Varre-Sai (7,22%), São José de Ubá (6,35%), Aperibé (6,17%), Natividade (5,79%), Miracema (5,59%), Porciúncula (5,32%), Italva (5%), Itaperuna (4,82%), Bom Jesus do Itabapoama (4,69%) e Santo Antônio de Pádua (2,89%). No Noroeste, o percentual corresponde a 5,26% da população.

Comentário do Ipeadata sobre os dados da tabela: “Número de famílias beneficiadas, em dezembro, com transferências de renda pelo Programa Bolsa Família (PBF) do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). As transferências são mensais, assim como as variações no número de famílias, mas os dados apresentados no Ipeadata referem-se somente às famílias beneficiadas no mês de dezembro de cada ano de referência”.

O Programa Bolsa Família foi criado para apoiar as famílias mais pobres e garantir a elas o direito à alimentação e o acesso à educação e à saúde. O programa visa a inclusão social dessa faixa da população brasileira, por meio da transferência de renda e da garantia de acesso a serviços essenciais. Em todo o Brasil, mais de 11 milhões de famílias são atendidas pelo Bolsa Família. Mais informações sobre o Bolsa Família aqui.

Ver também BOLSA FAMÍLIA - VALOR TOTAL DOS BENEFÍCIOS EM DEZEMBRO NO NOF

Ver nova postagem sobre o Bolsa Família 2010 aqui

sábado, 13 de novembro de 2010

VALOR TOTAL DOS RENDIMENTOS RECEBIDOS PELOS MUNICÍPIOS DO NOF
No período 1970 a 2000, conforme os valores decenais da tabela abaixo, os municípios do Noroeste tiveram seus rendimentos recebidos aumentados de R$ 23,935 milhões para R$ 141,166 milhões (os valores expressos na tabela devem ser multiplicados por 2 mil), o que representou uma evolução de 489,8%. Os municípios que mais aumentaram percentualmente seus rendimentos no referido período foram: Itaperuna (518,9%), Itaocara (492%), Miracema (437,8%), Porciúncula (419,9%), Santo Antônio de Pádua (415,9%) ... (continua na tabela abaixo)

Em valores absolutos, em 2000, os municípios que mais receberam rendimentos, conforme apresentados na ordem da tabela, são: Itaperuna, Santo Antônio de Pádua, Bom Jesus do Itabapoama, Itaocara, Miracema, Natividade, Cambuci ...

Não há dados em certos períodos na tabela para Italva, Aperibé, Varre-Sai e São José de Ubá porque tais municípios foram instalados após aquelas datas.

Observações do Ipeadata relativas aos números apresentados na tabela: "para 1970 é usado o rendimento médio mensal, e para os demais anos é o rendimento do mês anterior à data de referência; sendo esta data 01/08 para o Censo de 2000 e 01/09 para os demais anos. Deflacionado pelo INPC após 1979 e IPC-RJ antes de 1979".

Trabalho e necessidade de qualificação levam mulheres a adiar a maternidade, diz IBGE
Rio de Janeiro - As brasileiras estão tendo filhos cada vez mais tarde. Embora a faixa entre 20 e 24 anos ainda concentre o maior percentual de nascimentos, ele caiu de 30,5% em 1999 para 28,3% em 2009. Por outro lado, os grupos etários acima de 25 anos tiveram aumento na proporção, principalmente na faixa de 30 a 35 anos, que passou de 14,8% para 16,8% em uma década. Já entre as mais novas, com idades entre 15 e 19 anos, os registros de nascimento caíram de 20,8% para 18,2% no mesmo período.

A constatação faz parte da pesquisa Estatísticas do Registro Civil de 2009, divulgada hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O mapa revelado pelo estudo, no entanto, encontra disparidades entre os estados. No Sul e no Sudeste, estados como São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além do Distrito Federal, a faixa etária de 25 a 29 anos já lidera a proporção de nascimentos. Além disso, há uma concentração maior de nascimentos no grupo de 30 a 34 anos do que os relativos às adolescentes.

Para o gerente da Pesquisa do Registro Civil do IBGE, Adalton Bastos, esse movimento está diretamente ligado à entrada da mulher no mercado de trabalho e à crescente necessidade de qualificação, especialmente nas regiões onde o nível de escolaridade e a renda são mais elevados.

“Com certeza tem ligação com o mercado de trabalho, porque as mulheres, principalmente nas regiões Sul e Sudeste, precisam se qualificar mais para ocupar um posto de trabalho e acabam transferindo as uniões e a maternidade mais para frente. Os números mostram que há no país uma tendência de deslocamento da maternidade para as idades mais avançadas”, afirmou.

É o caso da empresária carioca Márcia Bittencourt. Grávida do primeiro filho aos 33 anos, ela conta que preferiu ampliar sua qualificação e tocar seus negócios antes de decidir aumentar a família.

“Num mercado tão competitivo como o de eventos, em que atuo, é preciso ter muita dedicação. Por isso, preferi me qualificar e garantir uma maior estabilidade na minha empresa para só depois engravidar. E hoje eu vejo que valeu a pena, foi na hora certa”, afirmou.

Por outro lado, no Maranhão e no Pará a proporção de nascimentos no grupo etário de 20 a 24 anos e de 15 a 19 anos foram os mais elevados. No primeiro estado, 35,5% dos nascimentos registrados diziam respeito a mães com idade entre 20 e 24 anos, e 23,9% a adolescentes. No Pará, o primeiro grupo respondia por 33,7% dos nascimentos e o segundo, por 24,3%.

No Rio de Janeiro, em Minas Gerais e no Espírito Santo, a realidade também era diversa da média nacional, tendo o grupo de mulheres com idades entre 30 e 34 anos registrado mais nascimentos do que o das adolescentes (de 15 a 19 anos). Mas a faixa que mais registrou nascimentos foi a de 20 a 24 anos, tendo sido de 26,1% no Rio de Janeiro; de 26,7% em Minas Gerais e de 28% no Espírito Santo.

As informações são da Agência Brasil (repórter Thais Leitão, edição Lílian Beraldo)

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Voto do nordestino vale o mesmo que o do paulista
Maria Inês Nassif, no Valor Econômico

O Brasil elegeu, por dois mandatos, um ex-metalúrgico como presidente da República. Agora elege uma mulher. Ambos de centro-esquerda. Para quem assistiu de fora a eleição de Dilma Rousseff e os dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pode parecer que o país avança celeremente para uma civilizada socialdemocracia e busca com ardor o Estado de bem-estar social. Para quem assistiu de dentro, todavia, é impossível deixar de registrar a feroz resistência conservadora à ascensão de uma imensa massa de miseráveis à cidadania.

Ocorre hoje um grande descompasso entre classes em movimento e as que mantêm o status quo; e, em consequência de uma realidade anterior, onde a concentração de renda pessoal se refletia em forte concentração da renda federativa, há também um descompasso entre regiões em movimento, tiradas da miséria junto com a massa de beneficiados pelo Bolsa Família ou por outros programas sociais com efeito de distribuição de renda, e outras que pretendem manter a hegemonia. A redução da desigualdade tem trazido à tona os piores preconceitos das classes médias tradicionais e das elites do país não apenas em relação às pessoas que ascendem da mais baixa escala da pirâmide social, mas preconceitos que transbordam para as regiões que, tradicionalmente miseráveis, hoje crescem a taxas chinesas.

A onda de preconceito contra os nordestinos, por exemplo, é semelhante ao preconceito em estado puro jogado pelos setores tradicionais no presidente Luiz Inácio Lula da Silva e na própria eleita, Dilma Rousseff, durante a campanha eleitoral. É a expressão do temor de que os “de baixo”, embora ainda em condições inferiores às das classes tradicionais, possam ameaçar uma estabilidade que não apenas é econômica, mas que no imaginário social é também de poder e status.

Há resistências à mobilidade social e regional

São Paulo foi a expressão mais acabada da polarização eleitoral entre pobres de um lado, e classe média e ricos de outro. Os primeiros aderiram a Dilma; os últimos, mesmo uma parcela de classe média paulista que foi PT na origem, reforçaram José Serra (PSDB). A partir de agora, pode também polarizar a mudança política que fatalmente será descortinada, à medida que avança o processo de distribuição regional de renda e de aumento do poder aquisitivo das classes mais pobres. A hegemonia política paulista está em questão desde as eleições de 2006 – e Lula foi poupado do desgaste de ter origem política em São Paulo porque era também destinatário do preconceito de ter nascido no Nordeste; e, principalmente, porque foi o responsável pela desconcentração regional de renda.

Com a expansão do eleitorado petista no Norte e no Nordeste do país, houve uma natural perda de força dos petistas paulistas, diante do PT nacional. Do ponto de vista regional, o voto está procedendo a mudanças na formação histórica do PT, em que São Paulo era o centro do poder político do partido. Isso não apenas pelo que ganha no Nordeste, mas pelo que não ganha em São Paulo: o partido estadual tem dificuldade de romper o bloqueio tucano e também de atrair de novos quadros, que possam vencer a resistência do eleitorado paulista ao petismo.

No caso do PSDB, todavia, a quebra da hegemonia paulista será mais complicada. Os tucanos continuam fortes no Estado, têm representação expressiva na bancada federal e há cinco eleições vencem a disputa pelo governo do Estado. No resto no do país, têm perdido espaço. Parte do PSDB concorda com o diagnóstico de que a excessiva paulistização do partido, se consolida seu poder no Estado mais rico da Federação, tem sido um dos responsáveis pelo seu encolhimento no resto do Brasil. Mas é difícil colocar essa disputa interna no nível da racionalidade, até porque o partido nacional não pode abrir mão do trunfo de estar estabelecido em território paulista; e, de outro lado, o partido de Serra tem uma grande dificuldade de debate interno – como disse o governador Alberto Goldman em entrevista ao Valor, é um partido com cabeça e sem corpo, isto é, tem mais caciques do que base. Não há experiência anterior de agregação de todos os setores do partido para discutir uma “refundação” e diretrizes que permitam sair do enclave paulista. Não há experiência de debate programático. E aí o presidente Fernando Henrique Cardoso tem toda razão: o PSDB assumiu substância ideológica apenas ao longo de seu governo. É essa a história do PSDB. A política de abertura do país à globalização, a privatização de estatais e a redução do Estado foram princípios que se incorporaram ao partido conforme foram sendo assumidos como políticas de Estado pelo governo tucano.

Todos os partidos, sem exceção, estão diante de um quadro de profundas mudanças no país e terão que se adaptar a isso. Fora a mobilidade social e regional que ocorreu no período, houve nas últimas décadas um grande avanço de escolaridade. A isso, os programas de transferência de renda agregaram consciência de direitos de cidadania. O país é outro. Não se ganha mais eleição com preconceito – até porque o voto do alvo do preconceito tem o mesmo valor que o voto da velha elite. Se os grandes partidos não se assumirem ideologicamente, outros, menores, tomarão o seu espaço.

As informações são do site PlanetaOsasco

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

ACHEI NA REDE E ESTOU DISPONIBILIZANDO AQUI
Navegando na rede encontrei este estudo (O PLANO DIRETOR E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO A PARTIR DA ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA – RJ) realizado pelos professores Wilson Madeira Filho (Professor titular da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense – UFF) e Luiz Cláudio Moreira Gomes (Professor substituto da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense - UFF e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da UFF).

Resumo do Estudo:

"Ao inserir no âmbito constitucional o Plano Diretor no capítulo relativo à política urbana, a CF/88, procedeu a revalorização da prática do planejamento urbano no Brasil, que foi ainda mais evidenciada com o advento do Estatuto da Cidade, que principalmente através da figura do Plano Diretor Participativo, fortaleceu o ativismo democrático, onde se buscou o fortalecimento da participação popular, para que se possa chegar ao entendimento de que a cidade pertence indistintamente à todos os cidadãos e não apenas aos técnicos e burocratas. Miracema encontra-se localizado na Região Noroeste do Estado do Rio de Janeiro uma das mais pobres do Estado, tendo sido inclusive considerado “bolsão de miséria” pelo Governo Federal e o seu Plano Diretor Participativo foi elaborado à partir de metodologia desenvolvida pela Universidade Federal Fluminense, que teve por objetivo atingir fazer eclodir uma cidadania ativa plena e a gestão democrática da cidade, buscando dar efetividade ao direito à cidade."

Boa leitura!
Mais jovens de classe D que de A na universidade
Com filhos da elite em proporção cada vez menor, alunos de baixa renda são maioria: classes C, D e E correspondem a 73,7%

POR MARIA LUISA BARROS

Rio - Um fenômeno recente está dando novo rosto às universidades brasileiras e mudando, para melhor, a vida de milhares de famílias. Pesquisa inédita do Data Popular, instituto especializado em mercado emergente no Brasil, revela que, pela primeira vez na década, jovens de baixa renda são maioria nas faculdades. Eles são 73,7% dos universitários. “É um contingente enorme que representa a primeira geração de suas famílias a obter um diploma de nível superior”, constata Renato Meirelles, sócio-diretor do instituto de pesquisa.

O estudo mostra que os estudantes da classe D, oriundos de famílias que ganham menos de 3 salários mínimos (R$ 1.530), ultrapassaram os filhos da elite nos campi. Uma das razões para esta revolução no ensino apontada por Meirelles foi o Programa Universidade para Todos (ProUni) que já atendeu 747 mil estudantes de baixa renda nos últimos seis anos.

De 2002 a 2009, as faculdades, públicas e particulares, receberam 700 mil estudantes da classe D — média de 100 mil jovens a cada ano. Se há oito anos eles ocupavam somente 5% do bolo universitário, em 2009 chegaram a 15,3%. Já os da classe A perderam participação no total: a fatia caiu de 24,6% para 7,3%.

Ronald Rosa Fonseca, 25 anos, passou pelo funil da exclusão social. Filho de uma doméstica e de um mecânico, teve o apoio dos patrões da mãe para cursar o 4º período de Serviço Social na Pontifícia Universidade Católica (PUC). “Eles permitiram que eu morasse na casa deles, no Leme, onde minha mãe trabalha. Não teria condições de estudar morando em Magé”, conta ele, que passou em 11º lugar no vestibular. Graças ao bom desempenho, a PUC deu a ele bolsa integral, passagem, alimentação e livros.

INVESTIMENTO PESADO

De acordo com Meirelles, para esses jovens a universidade é um investimento pesado, mas que vale a pena: “A família vê no estudo a única chance de mudar as condições de vida de todos”. Em retribuição à ajuda que recebeu para entrar na faculdade, Ronald voltou para o pré-vestibular gratuito mantido pela empresa ExxonMobil como coordenador. “Quem consegue entrar tem quase um compromisso de voltar e fazer o mesmo por outros jovens”, diz ele. Além do curso, os alunos participam de oficinas culturais, palestras, visitas a museus, universidades e empresas. Em janeiro, será aberta nova seleção. Informações: 2505-1233 e 2505-1256.

Número de universitários cresceu 57% em sete anos

Entre 2002 e 2009, o número de universitários no Brasil passou de 3,6 milhões para 5,8 milhões, um avanço de 57%.

Noventa por cento da população ganham até 10 salários mínimos e movimentam R$ 760 bilhões ao ano.

As classes A e B detêm 26,3% das vagas no ensino superior, enquanto estudantes da C, D e E representam 73,7% do total.

Em todas as classes sociais, houve aumento dos homens nas faculdades, mas as mulheres são a maioria (57%).

A média da idade dos universitários aumentou: passou de 25,87 em 2002 para 26,32, em 2009.

A necessidade de trabalhar para pagar a faculdade faz com que a maioria prefira estudar à noite ou em meio período.

Rede de apoio para estudantes carentes

Para atravessar os portões das universidades, estudantes de baixa renda contam com extensa rede de apoio que inclui programa de bolsas em faculdades privadas, orientação profissional e pré-vestibular social patrocinados por grandes empresas. É o caso do estudante Carlos Henrique Simões, 22 anos, morador de Realengo, Zona Oeste, que será o primeiro da família a prestar vestibular.

Há um ano, ele frequenta as aulas do pré-vestibular custeado pela empresa petrolífera Exxon Mobil, em parceria com o Centro de Integração Empresa Escola (CIEE). Os alunos recebem bolsa-auxílio de R$ 100 por mês e vale-transporte para que não abandonem os estudos. “Eles chegam com tanta vontade de fazer faculdade que demonstram uma força imensa, capaz de superar qualquer obstáculo”, diz Valéria Lopes, supervisora do CIEE.

Desde que foi criado, em 2004, o Programa Mais ajudou 51 estudantes a ingressar na universidade. Carlos não só está próximo de realizar seu sonho, como está levando junto a família. “Minha mãe voltou a estudar e está a caminho de concluir o Ensino Médio. Meu irmão mais velho também retomou os estudos”, conta o estudante, que fará Serviço Social.

Renda aumentou e mensalidade despencou

A ascensão dos jovens de baixa renda aos bancos universitários foi favorecida pela universalização do Ensino Médio e pela expansão das faculdades privadas, que fez despencar o preço das mensalidades. Além disso, foram criados cursos universitários de dois anos e a classe D obteve aumento na renda. “Depois de pagar a comida, aluguel e condução, começou a sobrar dinheiro para pagar os estudos”, observa Renato Meirelles.

Segundo ele, a classe C já representa o maior número de alunos em escolas privadas, com mais de 4 milhões de crianças matriculadas. “É um círculo virtuoso baseado na reciprocidade. Quem é ajudado ajuda outros a melhorar de vida”, explica. Ainda na classe C, 68% das pessoas estudaram mais do que os pais; entre a classe A esse percentual é de apenas 10%.

A partir do ano que vem, jovens terão mais um incentivo. A UFRJ vai destinar 20% das vagas para estudantes de escolas públicas. Os candidatos serão aprovados por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A instituição planeja dar mil bolsas-auxílio, Bilhete Único Intermunicipal e netbooks.

As informações são do O Dia Online de 06.11.2010 (Ver aqui)

Assim, dá pra entender de onde parte a chiadeira contra o Enem. Mas para preservar a instituição precisa demitir os INEptos.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Câmbio deverá pressionar a economia, diz presidente do BNDES
Rio de Janeiro - A economia deverá sofrer pressões motivadas pelos desajustes cambiais internacionais. A análise é do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. Ele participou hoje (10) da abertura da edição especial do Fórum Nacional, Manifesto por um Brasil Desenvolvido, que ocorre na sede do banco, no centro da cidade.

“Existe um processo de relaxamento monetário nos Estados Unidos, com injeção de US$ 600 bilhões nos próximos meses, inundando o mercado mundial de liquidez. Isso tende a pressionar as moedas flutuantes, especialmente nos países onde existem a perspectiva de crescimento econômico e condições de atração de capitais. Isso exerce naturalmente pressão forte sobre o real”, afirmou.

Segundo Coutinho, a chave para o crescimento está no investimento empresarial em pesquisa e desenvolvimento. “A grande deficiência está na insuficiência do esforço do setor privado. O Brasil vem melhorando, mas precisa acelerar, pois os objetivos são ambiciosos. Um engajamento amplo do setor privado leva a um salto em matéria de inovação”, disse o presidente do BNDES, citando áreas estratégicas onde o país pode ter grandes vantagens competitivas, como desenvolvimento de software e biocombustíveis.

O ex-ministro do Desenvolvimento Luiz Fernando Furlan participou do fórum e também demonstrou preocupação com as divergências internacionais no câmbio, que podem afetar negativamente a economia brasileira, especialmente o segmento exportador.

“Guerra cambial é uma assunto grave, que afeta principalmente alguns segmentos de produção maciça de produtos industrializados. As commodities estão tendo uma defesa natural pelo aumento da demanda, com o crescimento do preço. No caso dos industrializados, como eletroeletrônicos, confecções e calçados, acabam sendo vitimados, porque a competição torna-se desleal”, afirmou Furlan. “No caso dos eletroeletrônicos, especialmente os eletroportáteis, a indústria brasileira tende a desaparecer”, alertou.

Perguntado se poderia participar na montagem do novo governo, Furlan afirmou que a possibilidade não estava em seus planos. “Eu considero muito prazerosa minha passagem pelo governo. Tenho muito boas lembranças e não tenho saudades. Não fui convidado e também não estou disponível”, disse.

O Fórum Nacional especial prossegue até amanhã (11), reunindo lideranças políticas e econômicas, sob a condução do ex-ministro do Planejamento João Paulo dos Reis Velloso.

As informações são da Agência Brasil (repórter Vladimir Platonow, edição de Aécio Amado)
Juiz que chamou Lei Maria da Penha de preconceituosa é afastado
Uma determinação do Conselho Nacional de Justiça afastou o Juiz da comarca de Sete Lagoas (MG), Edilson Rumbelsperger Rodrigues, por falar da Lei Maria da Penha de forma discriminatória e preconceituosa.

A punição por desancar a legislação em sentenças nas quais a taxou de inconstitucional pode durar até dois anos. A lei foi um marco na defesa da mulher contra a violência doméstica. Ele também é acusado de rejeitar pedidos de ações contra homens que agrediram e ameaçaram mulheres.

Com votação de nove votos a seis a favor do afastamento, o julgamento que afastou o juiz, consequentemente reduziu o seu salário ao tempo de serviço. Os conselheiros que votaram contra o afastamento optaram pela censura ao magistrado e pela realização de um teste para atestar a sanidade mental do juiz.

Aberto em setembro do ano passado, consta no processo administrativo que o juiz atacou a lei, dizendo que se tratava de um conjunto de regras diabólicas. Ele teria afirmado que a desgraça humana começou por causa da mulher, ainda no Jardim do Éden, segundo a tradição hebraico-cristã. Para ele, o mundo é masculino e assim deve permanecer.

Além disso, o juiz também manifestou a mesma posição em uma página na internet (ver aqui). Na época da acusação, o magistrado se defendeu das acusações e negou que tenha havido excesso de linguagem. Ele explicou que não combatia as mulheres, mas o feminismo exagerado existente na Lei Maria da Penha.

O juiz disse ainda que algumas implicações da lei têm caráter vingativo. E afirmou, ainda, não retirar nenhum dos comentários feitos, pois isso seria um ato de covardia. Apenas após o período estabelecido, o juiz poderá pedir autorização para voltar à ativa. A decisão ainda é passível de recurso ao Supremo Tribunal Federal.

As informações são da rádio BandNews FM de Minas Gerais.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

PARA PENSAR
O rio Pomba, de onde a Cedae capta água para abastecer nossa cidade, vem recebendo cargas de poluentes perigosos para a saúde, como a lixivia lançada recentemente pela Indústria Cataguases de Papel.

Para contornar tal situação vivida por nosso município e tranquilizar a população, embora a Cedae dê garantias da água consumida, a administração municipal poderia estudar um plano “b” para propor ao Estado.

A antiga captação de água que existia em Miracema poderia ser restabelecida para funcionar numa emergência destas, evidentemente quando os mananciais d’água permitissem. Os despejos de dejetos nocivos à saúde realizados pelas indústrias no rio Pomba geralmente são feitos em épocas de chuva. Nestas ocasiões, o nível d’água do ribeirão Santo Antônio tem volume suficiente para abastecer a cidade.

Tal proposta é dita por muitos miracemenses, portanto o blog está sendo apenas veículo.
ESTADO DO RIO QUER FIM DE EMISSÃO DE POLUENTES NO RIO POMBA
O Estado do Rio, por intermédio da Secretaria do Ambiente, entra, amanhã (10), na Agência Nacional de Águas (ANA), em Brasília, com pedido de fim do lançamento de material contaminado no rio Pomba em Minas Gerais. Vai pedir também monitoramento rigoroso.

O rio Pomba, afluente do Paraíba do Sul, abastece as regiões Norte e Noroeste do Estado do Rio.

Uma vistoria constatou o lançamento de poluentes do reservatório da Indústria Cataguases de Papel em volume superior ao permitido.

A ANA havia autorizado lançamento, pela referida empresa, em baixo volume, mas, numa captação feita pelo Estado do Rio foi constatado aumento da turbidez da água.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Dois males afinal evitados
Eleição rejeitou udenismo moralista e potencialmente golpista e americanização das discussões políticas

Luiz Carlos Bresser-Pereira

As eleições do último domingo foram livres e democráticas. Foram próprias de uma democracia consolidada, porque o Brasil conta com uma grande classe média de empresários e de profissionais e com uma classe trabalhadora que participa dos ganhos de produtividade.

Porque conta com um sistema constitucional-legal dotado de legitimidade e garantido por um Estado moderno, que é efetivo em garantir a lei e crescentemente eficiente em gerir os serviços sociais e científicos que permitem reduzir a sua desigualdade.

É verdade que os dois principais candidatos não conseguiram desenvolver um debate que oferecesse alternativas programáticas e ideológicas claras aos eleitores. Por isso, a grande maioria dos analistas os criticou. Creio que se equivocaram.

O debate não ocorreu porque a sociedade brasileira é hoje uma sociedade antes coesa do que dividida. Sem dúvida, a fratura entre os ricos e os pobres continua forte, como as pesquisas eleitorais demonstraram. Mas hoje a sociedade brasileira é suficientemente coesa para não permitir que candidatos com programas muito diferentes tenham possibilidades iguais de serem eleitos -o que é uma coisa boa.

Os dois males que de fato rondaram as eleições de 31 de outubro foram os males do udenismo moralista e potencialmente golpista e o da americanização do debate político.

Quando setores da sociedade e militantes partidários afirmaram que a candidata eleita representava uma ameaça para a democracia, para a Constituição e para a moralidade pública, estavam retomando uma prática política que caracterizou a UDN (União Democrática Nacional), o partido político moralista e golpista que derrubou Getulio Vargas em 1954.

Não há nada mais antipolítico ou antidemocrático do que esse tipo de argumento e de prática. As três acusações são gravíssimas; se fossem verdadeiras -e seus proponentes sempre acham que são- justificam o golpe de Estado preventivo. Felizmente a sociedade brasileira teve maturidade e rejeitou esse tipo de argumento.

Quanto ao mal da americanização da política, entendo por isso a mistura de religião com política em um país moderno.

Os Estados Unidos, que no final da Segunda Guerra Mundial eram o exemplo de democracia para todo mundo, experimentaram desde então decadência política e social que teve como uma de suas características a invasão da política por temas de base religiosa como a condenação do aborto.

De repente um candidato passa a ser amigo de Deus ou do diabo, dependendo de ser ele "a favor da vida" ou não. A separação entre a política e a religião -a secularização da política- foi um grande avanço democrático do século 19. Voltarmos a uni-las, um grande atraso, a volta à intolerância.

A sociedade brasileira resistiu bem às duas ameaças. E a democracia saiu incólume e reforçada das eleições.

Em seu discurso após a eleição, Dilma Rousseff reafirmou seu compromisso com os pobres, ao mesmo tempo em que se dispôs a realizar uma política de conciliação, não fazendo distinção entre vitoriosos e vencidos.

Estou seguro que será fiel a esse compromisso, como o foram os últimos presidentes. Nossa democracia o exige e permite.

As informações são do jornal Folha de São Paulo

domingo, 7 de novembro de 2010

JOÃO-BOBO, TESOURINHA, SUIRIRI E MIRACEMA

Esses dias o tempo tem andado encoberto e chovido, diariamente, em Miracema. Chuvinha fina e mansa, daquelas que os agricultores gostam; molha a terra e não machuca a plantação. Chuva suficiente para revigorar e tornar a vegetação exuberante, colorindo de verde à paisagem miracemense.

O velho ribeirão Santo Antônio está com suas águas limpas, caudalosas e varrendo suas margens. Com isso, os mosquitos deram trégua, pois suas larvas, juntamente com a poluição, que, infelizmente, é lançada no leito do rio pelos incautos, desceram água abaixo.

Para tirar fotografias, o tempo não ajuda muito. Mas, fazemos o que podemos. Mesmo com o tempo encoberto, flagramos um suiriri encolhido daqui, um joão-bobo jururu de lá, uma tesourinha abatendo uma presa na antena de TV de cá, um canário-da-terra-verdadeiro se escondendo da chuva acolá, e os passarinhos de Miracema, aos poucos, vão sendo registrados. Todos eles surpreendidos na zona urbana ou nas margens das estradas asfaltadas, porque as estradas vicinais estão enlameadas e oferecendo certo risco para motos.

Os cajueiros e mangueiras estão carregados. Os jambeiros também prometem muitos frutos: o piso da praça dona Ermelinda, por baixo dos velhos pés-de-jambo que ali existem, está colorido com as flores desprendidas deles. Nos velhos tempos, o vigia da praça permitia que a molecada pegasse jambo na madrugada. Era uma festa servida pela fruta que fazíamos por lá naquela época.

Enfim, deram utilidade para o antigo viveiro da praça. De pretenso orquidário, voltou para sua função original: tem por lá, hoje, um galante pavão com um harém de quatro fêmeas. E ele, constantemente, faz corte para suas damas.


Um bom domingo para todos!