quinta-feira, 22 de abril de 2010

PASSEIO PELA ZONA RURAL II

Neste feriado de 21 de abril saímos para um passeio pela zona rural da região. Desta vez fomos perambular, no lombo da moto, pelos ares da nossa vizinha Minas Gerais. Nós, o trio admirador da natureza Larry, Chumbinho e eu. Iniciamos o percurso pelo Moura. Rodamos 90 km. A primeira foto é da capela localizada no sítio Mata:


Daí, seguimos em direção a Cisneiros, distrito de Palma. Nesse caminho demos de cara com um casal de siriemas (Cariama cristata), que se dispersaram um para cada lado da estrada. Demos uma clicada em um deles, embora estivesse um pouco distante. Também fotografamos, pelo caminho, um marco da divisa dos Estados RJ-MG:

Chegando em Cisneiros, demos um pulo em Itaperuçú, outro distrito de Palma, que fica muito próximo. Voltamos para Cisneiros e visitamos a ponte de trem sobre o rio Pomba, hoje desativada, pois o trem não passa mais por ela. A imponente ponte tornou-se um verdadeiro monumento à ferrovia:


Depois fomos visitar a represa da nova Usina Hidrelétrica da Barra do Graúna, que fica perto do povoado de Cisneiros. Ela está completamente cheia d’água. Pelo lado que escolhemos para ver a represa da Usina não foi possível sacar boa foto. Fico devendo.

Almoçamos em Cisneiros e fomos adiante em direção a Campelo – distrito de Pádua. Paramos no caminho em diversas propriedades rurais de pessoas conhecidas. Poderíamos mostrar muitas fotos de belas sedes destas propriedades que vimos ou paramos, porém, escolhemos esta, pela sua simplicidade, singeleza e bom gosto de seu proprietário:


Lá fotografamos uma criação de galinhas soltas, onde também havia perus e galinholas. Veja que beleza:


Pudemos também tirar foto do frango-dágua-azul (Porphyrio martinica) no açude da mesma propriedade:

De lá, pegamos a estrada vicinal em direção a Campelo e seguimos de volta a Miracema.

Maiores informações sobre as aves silvestres citadas neste "post" podem ser vistas nos endereços: http://pt.wikipedia.org/wiki/Seriema e http://www.wikiaves.com.br/frango-d_agua-azul .

quarta-feira, 21 de abril de 2010

O SOCOZINHO DE MIRACEMA


O Socozinho da foto acima foi flagrado hoje, pela manhã, no ribeirão Santo Antônio, em pleno centro de Miracema. A foto foi sacada da ponte da rua Francisco Bruno de Martino. Ele estava a procura do seu desjejum predileto: peixe.

Infelizmente, vemos também na foto o maior vilão da poluição de rios, lagos e mar: a sacola de plástico, que lamentavelmente é jogada na natureza pelos incautos. Felizmente encontra-se em tramitação no congresso nacional medida para proibir o uso indiscriminado dessa embalagem que pode produzir efeitos devastadores na natureza.

O Socozinho (Butorides striatus) é uma espécie de socó com ampla distribuição nas áreas alagadas das Américas e em grande parte do mundo. Tal espécie chega a medir até 36 cm de comprimento, possuindo capuz e topete nucal negros, pescoço acinzentado, peito com estrias ferrugem, dorso estriado de marrom, pernas amarelas e curtas. Também é conhecido pelos nomes: ana-velha, garça-socoí, maria-mole, socó-boi, socó-criminoso, socó-estudante, socoí, socó-mijão, socó-mirim e socó-tripa.

Nesse mesmo momento, na foto sacada do outro lado da mesma ponte, urubus e garça fazem trabalho de limpeza:

O ribeirão Santo Antônio, apesar da poluição que sofre, ainda é muito rico em vida animal.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

CAMPELO

Capela Santa Margarida - Campelo

O passeio desta vez foi pelas bandas de Campelo. A estrada para lá é a mesma que sobre a qual havia a linha férrea, do tempo que o trem chegava até Miracema (RJ-188). Um pequeno trecho desta estrada está asfaltado, até o bairro Carrapichão (cerca de 3km). O percurso é de 12 km e interessante, pois passa pelas cachoeiras do Conde e outras ribeirão abaixo, além de oferecer belos visuais da zona rural. A ponte, sobre um bonito lajeado encachoeirado do ribeirão Santo Antônio, bem próximo de Campelo, ainda é de madeira, como nos velhos tempos do trem.


Campelo pertenceu a Miracema. No plebiscito que foi feito para saber se a população de Miracema estava de acordo com a emancipação de Pádua foi realizado também em Campelo e Paraíso do Tobias. Depois da emancipação, na divisão da área para compor o novo município de Miracema, Campelo permaneceu como área do município de Pádua.
A tradicional família Campelo, na qual derivou o nome do povoado, têm muitos membros que continuam morando naquele distrito e em fazendas próximas. A família Campelo de lá é também Barros, cujo patriarca é representado pelo Gedeão Barros. A família Barros, nos primórdios de Miracema, foi proprietária de muitas fazendas: de Paraíso do Tobias a Campelo.

Sede da fazenda Santa Margarida - Campelo

Foto introduzida na postagem em 29/09/2014:

Bairro novo, estádio de futebol e asfalto da estrada para Miracema enfim concluído


De Campelo a Paraoquena, outro distrito de Pádua, é um pulo (cerca de 1 km). A ponte sobre o rio Pomba na chegada a Paraoquena, pela qual, outrora, passava o trem para Miracema, foi substituída por moderna ponte de concreto para tráfego rodoviário. A linha de trem continua ativa em Paraoquena. Uma bela atração neste lugar é a visita ao dormitório das garças: onde, ao entardecer, centenas de garças reúnem-se em poucas árvores agrupadas à beira rio, para pernoitar. A estrada Paraoquena-Pádua é asfaltada e oferece belos visuais da zona rural e do rio. A linha do trem cruza este pequeno trecho de estrada cinco vezes. Havemos de ter atenção nestes cruzamentos.

Estação Ferroviária de Paraoquena

Fotos da Capela e da sede da fazenda SM incorporadas na postagem em 4/3/2012

domingo, 11 de abril de 2010

O JOÃO-DE-BARRO E A VIUVINHA E NUANCES DA ZONA RURAL DE MIRACEMA

Num pequeno périplo pela zona rural com meu amigo Larry, lá pelas bandas das fazendas Serra Nova, União e muitas outras, tiramos algumas fotos (ver 9ª, 10ª e 11ª fotos no final da rolagem da tela de seu computador).

O casal de joão-de-barro da fotografia, a seguir, adotou os arredores do curral da fazenda do Larry como seu território. A viuvinha, juntamente com seu companheiro(a), que não consegui fotografar, também vivem nos arredores do mesmo curral, em harmonia com os joões-de-barro.


O joão-de-barro ou forneiro (Furnarius rufus) é uma ave Passeriforme da família Furnariidae. É conhecido por seu característico ninho de barro em forma de forno. A viuvinha ou lavadeira-mascarada (Fluvicola nengeta) embora não seja ave nativa da nossa região, hoje em dia encontra-se perfeitamente adaptada, podendo ser vista em qualquer parte de Miracema. Tem um casal dela que adotou os fundos de minha casa e os quintais dos vizinhos como seu território. Invariavelmente, todos os dias após o alvorecer o casal me acorda com seus fortes piados.

Mais informações sobre tais pássaros podem ser visto nos endereços:
http://www.wikiaves.com.br/joao-de-barro e http://www.flickr.com/photos/22551294@N08/4285576819/

quinta-feira, 8 de abril de 2010


O ALMA-DE-GATO DE MIRACEMA


O pássaro alma-de-gato pode ser avistado facilmente na zona rural de Miracema. O nome deriva de seu canto que assemelha-se ao gemido de gato. Ele é uma ave Cuculiforme da família Cuculidae. Também é conhecido pelos nomes populares de: alma-de-caboclo, alma-perdida, atibaçu, atingaçu, atingaú, atinguaçu, atiuaçu, chincoã, crocoió, maria-caraíba, meia-pataca, oraca, pataca, pato-pataca, piá, picuã, rabilonga, rabo-de-escrivão, rabo-de-palha, tincoã, tinguaçu, titicuã, uirapagé e urraca.

Sua cauda excepcionalmente grande o torna inconfundível. Ele é um excelente imitador do canto de outros pássaros, principalmente do bem-te-vi. Mais informações sobre o alma-de-gato pode ser visto no endereço: http://www.wikiaves.com.br/alma-de-gato

Eis a foto que consegui do alma-de-gato, lá pelas bandas do Moura:



O SONHO DA NOSSA USINA DE TRATAMENTO DE LIXO
Com o aterro sanitário regional previsto para ser implantado em Itaperuna (Aterro Sanitário Noroeste II), no qual o lixo de Miracema será depositado, conforme protocolo de intenções assinado hoje por 8 municípios do Noroeste fluminense (Itaperuna, Bom Jesus de Itapaboana, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, São José de Ubá e Varre Sai), área com 204.812 habitantes, os miracemenses podem acordar de vez do sonho da UTIL.
A implantação do aterro sanitário em epígrafe é de iniciativa do Governo do Estado, com coordenação da Secretaria Estadual do Ambiente - Programa Estadual de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos (PEGIRS).
Após os sucessivos fracassos na tentativa de reerguer a nossa UTIL, sendo a última delas a cooperativa dos ex-funcionários, não devemos esperar mais nenhum esforço da administração municipal nesse sentido, tendo em vista o referido protocolo recentemente assinado e a precariedade insalubre que os funcionários encarregados da coleta de lixo são expostos para fazerem seu trabalho diário (somente depois que a INTERTV, por meio de matéria a ser veiculada naquele meio de comunicação, deu alerta às autoridades do executivo miracemenses, que foram anunciadas algumas providências para prover os garis de uniforme, luvas e botas).
Lixo é coisa séria. É notória a falha cultural que temos em relação ao lixo. Investimentos em campanhas permanentes de conscientização e a colocação de lixeiras nas ruas poderiam ser de grande utilidade. Quando será que isso vai acontecer em Miracema?

domingo, 4 de abril de 2010

O PRIMEIRO RESERVATÓRIO DE FORNECIMENTO DE ÁGUA DE MIRACEMA
A foto abaixo é do reservatório de água que abasteceu o primeiro sistema municipal de água encanada de Miracema. O espelho d'água está pequeno porque a taboa avançou sobre o açude. Quem conta é o Chumbinho, que também aparece na foto. Que segundo ele contam os anciãos de Miracema. O reservatório fica na parte alta da propriedade, cuja entrada é à direita do início da subida do morro da estrada para Paraíso do Tobias.
Afora isso, quem primeiro encanou água em Miracema, de forma particular, foi o imigrante italiano Salvador Ciuffo. Que também foi construtor. Junto com o engenheiro Francisco Poly, que era outro imigrante italiano, Salvador Ciuffo construiu muitas casas em Miracema. Nas casas construídas por eles e também por outros construtores, como a sede da Sociedade Musical Sete de Setembro e a Estação Ferroviária, a água era fornecida do sítio do Salvador Ciuffo, que ficava onde hoje é o bairro Vale do Cedro.